ILPF

Sinal verde para o PROGRESSO

Sistemas integrados de produção agropecuária podem tornar o Brasil a primeira potência agroambiental do planeta

Gabriel Faria, Robinson Cipriano, Eliane Cezar, José Heitor e Juliana CaldasL

A busca por intensificar a produção e por alternativas mais sustentáveis tem levado ao aumento da utilização de sistemas integrados de produção agropecuária no Brasil. De acordo com projeção da Rede ILPF, o País tem, atualmente, cerca de 17 milhões de hectares ocupados por alguma modalidade de integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF). O crescimento é de pouco mais de 1 milhão de hectares em relação ao ano anterior. A projeção leva em conta dados da Plataforma ABC, do Censo Agropecuário e de uma pesquisa encomendada pela própria Rede ILPF na safra 2015/2016. Para se ter uma ideia do que representa essa área, a estimativa é que, hoje, os sistemas ILPF ocupem um espaço quase do tamanho do território do Uruguai. A Rede ILPF – que é uma parceria público-privada da qual fazem parte Embrapa, Bradesco, Ceptis, John Deere, Soesp e Syngenta – trabalha com a meta de chegar a 30 milhões de hectares com sistemas ILPF até 2030, o que representa uma área do tamanho da Itália. A maior parte da área com sistemas integrados – cerca de 85% – é na modalidade lavoura-pecuária. As configurações com árvores, como os sistemas silvipastoris, silviagrícolas e agrossilvipastoris, ocupam os 15% restantes.

O pesquisador da Embrapa e presidente do conselho gestor da Rede ILPF, Renato Rodrigues, acredita que o Brasil tenha o potencial para se tornar a primeira potência agroambiental do planeta. “O Brasil pode ser protagonista desse cenário! Até 2030, o País se comprometeu voluntariamente a recuperar 20 milhões de hectares de pastagens degradadas com sistemas de integração lavoura-pecuária-floresta e pastagens bem manejadas. Mesmo conseguindo atingir essa meta ambiciosa, ainda teremos outros ...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!