Santo Capim

PLANTAS INFESTANTES: efeito e benefícios do manejo e controle Parte I

Adílson de Paula Aguiar
Zootecnista, professor de pós-graduação na REHAGRO e na FAZU, consultor associado da CONSUPEC e investidor na pecuária de corte e de leite

Plantas invasoras ou infestantes são indesejáveis em uma cultura específica. Essas plantas são também conhecidas como ervas ou plantas daninhas (ambos também termos técnicos), inços (termo regional no Sul), juquira (termo regional no Norte), capoeira (termo regional no Sudeste e no Nordeste) e “pragas” (termo incorreto, porque pragas são insetos e nematoides). As causas do aparecimento de plantas infestantes na pastagem são bem conhecidas, porque são as mesmas que ocasionam a degradação da pastagem e do seu solo. Podemos citar como exemplos o plantio de espécies forrageiras não adaptadas às condições climáticas e dos solos da região; o estabelecimento incorreto da pastagem (com erros cometidos desde o preparo do solo, passando pela compra de sementes de baixo valor cultural, terminando com erros na semeadura); o manejo incorreto da pastagem durante o seu estabelecimento e durante a sua condução (com superpastejo ou com subpastejo); a queima frequente; a falta de diversificação que provoca o desenvolvimento rápido de pragas e doenças; o cultivo da pastagem em solos com baixa fertilidade natural ou em solos antes férteis, mas já esgotados. Todas essas causas, ao final, levam a uma diminuição do vigor da pastagem e à abertura de espaços que passam a ser ocupados pelas plantas infestantes.

As consequências da presença de plantas infestantes na pastagem também já são bem conhecidas. Estas competem com a planta forrageira por fatores de crescimento: na sua parte aérea, por dióxido de carbono, luz solar e espaço; na sua parte subterrânea, por água e nutrientes minerais. Muitas plantas infestantes excretam substâncias alelopáticas que inibem ou impedem o crescimento da...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!