Leite

DESAFIOS DA eficiência

Tecnologia e estratégias genéticas como o cruzamento melhoram produtividade e baixa performance reprodutiva do rebanho leiteiro

Por Anna Luiza Belli 1

A pecuária leiteira do Brasil vem se desenvolvendo rapidamente nos últimos anos. Um grande avanço que pôde ser percebido é o melhoramento genético das raças fruto de cruzamentos, também conhecidas como mestiças, a exemplo da Girolando, principal cruzamento utilizado nos rebanhos leiteiros brasileiros. Apesar do crescente movimento de concentração da produção leiteira em um menor número de fazendas, que, em,maioria, trabalha com animais da raça Holandês, os mestiços são bastante encontrados, têm produtividades cada vez mais altas e, com isso, encontram mais desafios para manter a eficiência produtiva.

O cruzamento é uma estratégia que possibilita à fazenda se beneficiar da heterose, otimizando o mérito genético aditivo e a complementariedade de acordo com o objetivo estabelecido para o rebanho. E deve levar em consideração as condições ambientais e as metas de cada sistema de produção.

A raça Girolando é considerada uma raça sintética. As diretrizes para sua formação foram estabelecidas ao final da década de 1980, e a raça foi oficialmente reconhecida pelo Ministério da Agricultura em 1996. Produzida a partir do cruzamento das raças Gir e Holandês, resultou em animais que associaram características desejáveis de ambas as raças, como a rusticidade do Gir e a produtividade do Holandês.

Desde 1997 estabeleceu-se o programa oficial de melhoramento genético da raça, coordenado pela Associação Brasileira dos Criadores de Girolando e pela Embrapa. Hoje são claras as formas de se atingir animais 5/8, considerados os animais puro sintéticos Girolando, que podem ser feitas com o acasalamento de animais de diferentes graus de sangue aceitos pela associação. Muitos desses animais já têm exemplares de touros...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!