Falou

Horizonte PROMISSOR

Com mais de 40 anos de atuação junto ao pecuarista brasileiro, Romancini conclui reestruturação societária e anuncia expansão para o mercado internacional, como detalha a CEO empresa, Lu Romancini

Revista AG - A Romancini existe desde 1977. Quais foram as principais conquistas da empresa até hoje?

Lu Romancini - A Romancini nasceu por acaso. Meu pai, que já era pecuarista, sentia dificuldades no dia a dia do campo, principalmente com relação à contenção e ao manejo do gado. Então, usou a estrutura da fábrica de carrocerias do meu avô e desenvolveu um tronco para uso próprio. Ele mesmo desenhou, fabricou e instalou o produto, algo inimaginável nos dias atuais. Os amigos passaram a encomendá-lo e por aí foi. Desde então, Luiz Carlos trabalha com duas grandes paixões: a pecuária e o desenvolvimento de produtos para a pecuária. E a empresa, que começou de modo familiar, hoje, é referência sul-americana na produção de troncos de contenção, com destaque no mercado nacional e internacional. Então, temos muito orgulho da nossa trajetória.

Revista AG - Recentemente, a Romancini aderiu ao programa Brazilian Cattle, da ABCZ. Qual o principal objetivo e como foi o processo de adesão?

Lu Romancini - Nosso objetivo é a internacionalização da Romancini, abrir espaço no mercado internacional, até mesmo para não ficar refém do mercado nacional. Já exportamos para alguns países da América Latina, da América do Sul, da Europa e da África, mas não focávamos nisso porque não nos sentíamos preparados para tanto. Mas o aumento de demanda estrangeira pelos nossos produtos levou-nos a refazer o planejamento e fortalecer a atuação no mercado externo. Temos um estande fixo dentro do Parque Fernando Costa, na ABCZ, em Uberaba (MG), e, há algum tempo, havíamos sido convidados pela associação a aderir ao programa, mas ainda estávamos em um processo de reestruturação, iniciado há quatro anos e finalizado em junho.

Revista AG - Em que consiste esse processo de reestruturação?

Lu Romancini - Homologamos, em 5 de junho, uma reestruturação societária. Foi um passo decisivo para a continuidade de empresa. Encerramos um litígio societário que se arrastava há mais de três anos. Ao mesmo tempo, saímos, definitivamente, da gestão familiar para uma gestão totalmente profissional. Meu pai, Luiz Carlos Romancini, agora, é sócio majoritário da empresa com 83% do capital, e contamos com o aporte de um sócio investidor, detentor de 17% das cotas. Eu e meu pai – grande mentor e desenvolvedor dos nossos produtos - continuamos à frente da administração da empresa com o apoio de uma equipe de profissionais engajados, comprometidos e, como nós, apaixonados pelo que faz. Meu objetivo agora é aprender – sob a mentoria do meu pai – a olhar minuciosamente para os produtos e para as necessidades do produtor para dar continuidade ao legado construído por ele nesses 43 anos.

Revista AG - Quais os principais mercados internacionais que estão em prospecção?

Lu Romancini - Temos um plano de desenvolvimento para os próximos cinco anos. A princípio, começamos pela América do Sul, depois, vamos para a América Central e para a América do Norte. No entanto, temos um plano de contingência para atender países europeus e africanos sob demanda. Se quiserem comprar nosso produto, vamos vendê-lo e entregá- -lo com a mesma qualidade com que atuamos no mercado brasileiro.

Revista AG - Quando e de que forma o processo de internacionalização irá começar?

Lu Romancini - A Romancini já começou a se estruturar para isso há dois anos. E é um processo contínuo. Nossa equipe administrativa tem aulas de espanhol semanais e estamos constantemente investindo em cursos de capacitação profissional - cada qual na sua área - para que possamos atender, de forma satisfatória, a demanda do mercado internacional.

Revista AG - Quais as grandes novidades da empresa em relação aos seus produtos?

Lu Romancini - Nossos produtos estão em constante atualização. Meu pai participa ativamente de todas essas mudanças. Como pecuarista, ele tem o olhar apurado às necessidades do dia a dia e está sempre buscando o melhor, tanto para o operador do produto quanto para proporcionar o bem-estar animal. Para esse ano ainda, estamos com previsão de lançamento de um produto automatizado, nos moldes do recém lançado R-Veloz, mas com melhor custo x benefício, para atender também os pequenos e médios produtores rurais. O nosso objetivo é democratizar a automação para que nossos produtos possam ser usados pelo maior número possível de pecuaristas, sem abrir mão da qualidade e da inovação. Mas, por ora, por questão de estratégia, não posso dar mais detalhes desse lançamento.