Documento Embrapa

O carrapato desenvolve resistência contra VACINAS?

Renato Andreotti 1

Sim, os animais podem desenvolver resistência contra vacinas, assim como já desenvolveram resistência a vários princípios ativos de carrapaticidas ou acaricidas, porém é mais difícil. Os produtos químicos, atualmente, são os mais utilizados para controlar o carrapato do boi, e merecem atenção dos pecuaristas, uma vez que, sem nenhum tipo de controle, o prejuízo é certo tanto em bovinos de corte como de leite.

Um dos principais problemas na utilização dos químicos ou acaricidas é a resistência dos carrapatos a eles em, pelo menos, seis gerações. Ressalto que o uso dos mesmos sem orientação técnica adequada ocorre em todo território nacional e gera prejuízos, como aumento da contaminação nos animais, nos seus produtos, nos trabalhadores e no ambiente.

O uso da vacina como alternativa ou associada a um controle integrado tem sido desenvolvida com uma eficácia em torno de 50% no Brasil, mas os estudos continuam com vistas a aumentar esse índice.

É importante ressaltar que a tecnologia deve ser associada ao controle de carrapatos nas pastagens, ao mesmo tempo, levando-se em conta o valor adequado da dose no mercado, ancorado em uma política pública. O que estou querendo dizer é que, assim como foi pensado para aftosa, um programa semelhante poderia ser desenvolvido para o controle do carrapato. Acredito que grande parte do problema seria resolvido ou amenizado.

Neste contexto, será que podemos ter a mesma situação de desenvolvimento de resistência dos carrapatos às vacinas como acontece com os acaricidas? Minha explicação é que, com as informações conhecidas hoje em dia, todo sistema biológico pode sofrer mutações. Nas situações mais simples, como no caso do vírus da gripe, temos um sistema de alta mutação em que, todo ano, é apresentada uma nova vacina para as variantes circulantes.

Com relação aos car...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!