Santo Capim

Prepare-se para o desafio da transição SECA/CHUVA
Parte I

Santo

ADILSON DE PAULA ALMEIDA AGUIAR é zootecnista, professor em cursos de pós-graduação na REHAGRO e nas Faculdades Associadas de Uberaba (FAZU); Consultor Associado da CONSUPEC - Consultoria e Planejamento Pecuário Ltda; Investidor nas atividades de pecuária de corte e de leite.

Quando se trata de manejo de pastagem e de planejamento alimentar em sistemas de pastejo, considerando as dimensões quase continentais do Brasil, é importante caracterizar sua diversidade climática para melhor compreender o que será abordado neste artigo.

Primeiro, existem dois tipos climáticos principais no Brasil: o tropical, acima do Trópico de Capricórnio, e o subtropical, abaixo desse paralelo, localizado no Hemisfério Sul da Terra na latitude de 23º 26” e 14” Sul. Na região tropical, para fim de planejamento alimentar, divide-se o ano em duas estações, a da seca e a das chuvas. Nas subtropicais, para os mesmos fins, trabalha- se com a distribuição dos meses nas estações primavera/verão e outono/ inverno.

O território brasileiro encontra-se 92% no Hemisfério Sul. Dessa porção, 93% está na zona tropical, a mais representativa para a pecuária nacional, principalmente a de corte. A maior parte dessa região tem seu período chuvoso na primavera (22 de setembro a 21 de dezembro) e no verão (21 de dezembro a 22 de março). Entretanto, acima da Linha do Equador, já no Hemisfério Norte, em parte da faixa litorânea ao Norte da Bahia e em outros estados nordestinos, o período chuvoso ocorre entre o final do verão e vai até o final do inverno. Assim, vamos falar sobre a pecuária de corte realizada na região tropical do País onde o período chuvoso ocorre nas estações de primavera e verão, ou seja, entre setem...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!