Sala de Ordenha

Recuperação nos preços pagos ao PRODUTOR

O preço do leite pago ao produtor teve forte alta no pagamento realizado em julho referente à produção de junho. Foi o segundo mês de forte aumento. Considerando a média ponderada dos 18 estados pesquisados pela Scot Consultoria, o incremento foi de 8,7%, em julho, em relação ao pagamento anterior (Figura 1). As cotações subiram em todos os estados pesquisados, com as altas chegando a 19,3% em Goiás, 15,2% no Espírito Santo e 11,8% em Santa Catarina. Em muitos casos, os preços atuais são os maiores historicamente, considerando os valores nominais.

Oferta versus demanda

A produção nacional de leite cresceu em junho (1,6%) e em julho (4,6%), mas o volume médio captado nesses dois meses foi, em média, 4,5% abaixo na comparação com igual período do ano passado.

Do lado da demanda por leite cru, as indústrias de laticínios aumentaram o processamento diante da maior movimentação no mercado interno com a flexibilização da abertura do comércio e os auxílios do governo, e têm refletido em melhora do escoamento. Os estoques mais enxutos nas indústrias, nos últimos meses, devido às incertezas com relação à pandemia, acirraram a concorrência pela matéria-prima.

Com relação à demanda na ponta final da cadeia, após cair em março (-2,4%) e abril (-17,0%) devido à pandemia e a medidas de isolamento adotadas, o Índice de Vendas do Comércio Varejista, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), aumentou 14,4% em maio e 8,0% em junho na comparação mensal.

No entanto, quando analisamos o Índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF), da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), este alcançou o menor nível da série histórica. A queda foi de 4,0% em julho, na comparação mensal, porém menos intensa do que nos dois meses anteriores. Esse quadro mantém o alerta com relação à evolução/retomada da demanda interna em meio à pandemia e a incertezas.

Expectativas

Para o pagamento a ser realizado em agosto de 2020, referente à produção entregue em julho de 2020, o viés é de alta no preço do leite pago ao produtor, com 60% dos laticínios pesquisados pela Scot Consultoria estimando aumento, e os 40% restantes apontando para manutenção nos preços.

Mesmo nos estados do Sul do País, com a produção crescendo com mais força, a expectativa é de alta para o produtor, mas o maior volume poderá diminuir a intensidade comparativamente com os pagamentos anteriores.

Para o pagamento de setembro, a maior parte das indústrias de laticínios aponta para manutenção dos preços do leite pago ao produtor, mas uma parcela ainda fala em alta, principalmente no Brasil Central e na região Sudeste, onde a produção deverá retomar com mais força apenas com a volta das chuvas (setembro/ outubro).

Rafael Ribeiro de Lima Filho, zootecnista msc Scot Consultoria