Cria

Lições e aprendizados VIRTUAIS

Cria

Tamara E. de Oliveira, Anna Gatelli, Anna I. C. P. Suñe, Daniele Zago, Joana G. Kuhn, Luis F. Brum, Maria C. Muniz, Sigrid Paiva, Vanessa Lima e Júlio Barcellos1

A comercialização da produção, nos sistemas de cria, é um dos momentos mais importantes para o ciclo da atividade e, geralmente, coincide com o período da desmama, quando pecuaristas vendem seus bezerros a recriadores e terminadores. Essa venda ocorre por diversos meios, mas, no Sul do Brasil, é efetivada, majoritariamente, nas conhecidas feiras de bezerros (“feiras de terneiros”) ou em leilões. Esse mercado, fundamental para o setor há mais de 40 anos, estabeleceu normas e padrões de conformidade (idade, sexo, peso, itens de identificação). O resultado foi uma especialização Lições e aprendizados virtuAis Tamara E. de Oliveira, Anna Gatelli, Anna I. C. P. Suñe, Daniele Zago, Joana G. Kuhn, Luis F. Brum, Maria C. Muniz, Sigrid Paiva, Vanessa Lima e Júlio Barcellos1 da cria e um mercado consolidado para a categoria “bezerros”, normalmente, em duas épocas do ano – outono (bezerros de primavera) e primavera (bezerros de outono). Assim, as feiras de bezerros sempre foram as balizadoras do “padrão” do bezerro e dos preços.

Até a última temporada, o mercado e os canais de comercialização de bezerros eram balizados por negócios presenciais, realizados em Sindicatos Rurais, em parques de exposições ou em locais de remates. Contudo, por conta do distanciamento social, essa modalidade se tornou inviável, e novos canais de divulgação e de negócios fortaleceram o ambiente virtual. Possibilidades de compra e venda que já aconteciam por telefone, pela televisão e mesmo pela internet ganharam o reforço de transmissões em tempo real por redes sociais, em plataformas espec...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!