Caindo na Braquiária

Algo sobre combustíveis fósseis, gado e MUDANÇA CLIMÁTICA

Caindo

Alastraram-se em nosso meio – como uma nuvem de gafanhotos – dois vídeos gravados por uma cantora e um artista muito admirados pelo povo, com suas ignóbeis opiniões a respeito do “mal que o boi faz à humanidade”. Como de costume, fui pesquisar um pouco a respeito, tentando entender todo esse dito “mal” que nosso boi faz ao planeta.

Por coincidência, recebi do site beefmagazine uma esclarecedora conversa com Frank Mitloeher, um dos maiores especialistas de qualidade do ar, professor e pesquisador do Departamento de Zootecnia da Universidade da Califórnia (EUA), considerado pelos seus pares da área como o guru no assunto efeito estufa. Quero, então, pedir permissão aos leitores para traduzir aqui alguns pontos que desmistificam o assunto.

O site faz a seguinte introdução: “Durante esta pandemia, o que se observou foi uma melhora significativa na qualidade do ar nas áreas urbanas, oferecendo uma oportunidade de reflexão sobre o conceito equivocado da população a respeito dos causadores do efeito estufa”. E continua citando os pontos a seguir, sobre os quais faço um breve resumo:

• Qual a vida média de um arroto bovino no ar?

“A vida média do dióxido de carbono (gás produzido pela queima dos combustíveis fósseis) no ar é em torno de mil anos, enquanto a do metano (gás produzido pelo arroto bovino) é cerca de dez anos.” A informação esclarece que o metano é produzido e destruído continuamente, detalhe que, muitas vezes, não é considerado pelos ambientalistas.

• Pode nos explicar o ciclo biogê- nico do carbono?

“Você já se perguntou onde o metano (do gado) se origina e como acaba? Os gases de efeito estufa relacionados aos bovinos são muito ...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!