Nutrição

Guardiã da sanidade

Alimentação associada às defesas orgânicas diminui degradação celular e potencializa desempenho nos momentos mais desafiadores do ciclo

Júlio Barcellos1 , Marcela Kuczynski da Rocha2 , Vanessa de Lima3 , Helena Xavier Fagundes4

A criação de gado de corte passa por processos cada vez mais intensivos para otimizar o uso dos recursos produtivos. É reconhecido que, com os avanços genéticos, há ampliação do potencial produtivo animal, com melhoria na conversão alimentar e respostas à intervenção humana, originando novos desafios. Mas a busca pelo máximo desempenho está alicerçada no equilíbrio de todas as suas funções orgânicas, que asseguram o funcionamento adequado de todas as suas atividades. Nesse sentido, a alimentação vai muito além de atender às exigências nutricionais das diferentes categorias e dos seus objetivos produtivos. Ela é a guardiã e a base para as efetivas defesas imunológicas do animal frente às anomalias de saúde presentes na produção (Figura 1). São os alimentos que fornecem energia, proteína, vitaminas e minerais em quantidade e qualidade suficientes para garantir um bom desempenho individual e a sanidade do rebanho.

O sistema imune é formado pelo conjunto de elementos (células, órgãos e moléculas) que interagem entre si com o objetivo de proteger o corpo contra bactérias, vírus ou substâncias prejudiciais aos tecidos saudáveis. A resposta imunológica pode ser inata e adquirida. A primeira linha é limitada aos estímulos externos e é representada por barreiras biológicas, físicas e químicas, células e moléculas presentes na pele, nos leucócitos e nos fluidos corporais, como lágrima, saliva, muco e suco gástrico. A imunidade adquirida é específica e ativada vaca, durante a síntese do colostro, essencial para a sobrevivência e o crescimento saudável do bezerro.

Figura 1 - Atuação da nutrição nas defesas imunológicas do animal <...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!