Leite

EFICIÊNCIA AMPLIADA

Leite

Diagnóstico de gestação por meio de análise leiteira diminui o manejo e o estresse das vacas se comparado a métodos tradicionais

Dr. Carlos Bondan1, Dr. João Ignácio do Canto2, Me. Joseane Bressiani3

A evolução da pecuária leiteira tem se caracterizado pelo rápido progresso no desenvolvimento de novas tecnologias que garantam sua viabilidade econômica. A geração de dados precisos e rapidamente disponíveis representa uma importante ferramenta na gestão da propriedade, devendo ser o manejo reprodutivo do rebanho devidamente orientado, buscando a maior produtividade e sustentabilidade do negócio leiteiro.

A eficiência reprodutiva dos rebanhos leiteiros impacta consideravelmente na sustentabilidade da fazenda e deve ser avaliada utilizando vários parâmetros como eficiência na detecção de cio, dias do parto ao primeiro serviço, taxas de concepção, doses de sêmen por prenhez e intervalo entre cios, sendo o principal deles o intervalo entre partos.

Considerado ideal para maximizar a eficiência produtiva e de bezerros, o intervalo entre partos não deveria ultrapassar 12 meses, pois, com intervalos de partos reduzidos, as vacas terão maior número de crias e maior produção de leite na sua vida útil, podendo trazer maior retorno econômico à atividade leiteira.

O diagnóstico precoce de gestação realizado aos 28 dias após a inseminação artificial ou a cobertura, independentemente da forma como é realizado, é uma informação de grande importância na tomada de decisões dos produtores, sendo essencial a rápida identificação das vacas vazias com o objetivo de antecipar o próximo serviço e reduzir o intervalo parto/concepção. No caso de vacas diagnosticadas precocemente como positivas (gest...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!