Leite & Cia

Doenças podem afetar até 60% do rebanho na transição

Com isso, o prejuízo pode ficar em torno de US$ 100 a US$ 400 por animal. O período de transição é o intervalo entre as três semanas que antecedem o parto e as três semanas posteriores ao nascimento da bezerra. O alerta é feito pela Auster. “Sem o cuidado necessário, o animal pode sofrer com hipocalcemia, que pode acarretar outras doenças, retenção de placenta, mastite ou mesmo uma cetose. Tudo isso tem impacto negativo na receita do produtor”, relata Mario Viderman, gerente de Bovinos da empresa.

Boehringer oferece terapia inteligente para mastite

Camila Ferraz, gerente de Produtos da divisão de Grandes Animais da Boehringer, recomenda Mamyzin® S para uma proteção a longo prazo. “Trata-se de uma solução flexível para todos os tipos (curtos e longos) de períodos secos”, garante. A combinação de três antibióticos com componentes de curta, média e longa ações é indicada para secagem terapêutica, prevenindo novas infecções intramamárias no período seco e combatendo as infecções pré-existentes (mastites subclínicas). Mamyzin® S também é indicado pela empresa como tratamento profilático de infecções.

Testes aumentam eficiência no combate da mastite

No projeto “Cultura na Fazenda”, os produtores coletam o leite utilizando placas de observação e materiais esterilizados. Em até 24 horas é possível descobrir o quadro clínico do animal. A solução é o resultado de uma pesquisa desenvolvida pelo Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite da USP. Coordenador do projeto, Marcos Veiga dos Santos explica: “Cada fazenda leiteira tem uma determinada bactéria que pode ser a causa mais frequente da mastite. Sabendo a causa, é possível aplicar a medida mais indicada”.

Desafio de startups seleciona projetos

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no site do evento (http://www.ideasformilk.com.br/desaf...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!