Feno e Silagem

FENO: DESEMPENHO EM BOVINOS DE CORTE

Vanessa de Lima*, Anna Elisa Gatelli**, Daniele Zago***Júlio Barcellos****

A fenação é uma ferramenta de conservação de forragens para o uso em épocas estratégicas. A matéria-prima deve ter boa qualidade nutricional e pode ser oriunda de forrageiras cultivadas com esse objetivo ou do excedente de pasto em potreiros já utilizados pelos animais ou, ainda, aproveitando palhadas de cultivos agrícolas. As principais vantagens da utilização desse tipo de alimento são a flexibilidade da oferta de forrageiras, aumento do número de animais por área, redução dos custos com concentrado e a facilidade no processo de fabricação. Resultados satisfatórios têm sido relatados com o uso de fenos como fonte principal ou suplementar de volumoso, a campo ou em confinamento.

Fatores que afetam o valor nutricional do feno

O material a ser enfenado deve apresentar boa qualidade nutricional, pois isso determinará a qualidade e a viabilidade econômica do feno produzido. É importante ressaltar que esse método de conservação não melhora a qualidade da forragem, apenas a conserva. Para a produção do feno, são necessárias pastagens de alta produção de massa, fáceis de serem cortadas e desidratadas, máquinas especializadas, além de boas condições climáticas, pois a umidade relativa do ar não deve ser superior a 60% no período de fenação (Figura 1). Em condições ambientais adequadas, as perdas decorrem principalmente da respiração da planta morta, logo após o corte, e envolve a dissipação de açúcares e hidrólise de proteínas. Porém esse processo pode ser evitado quando há rapidez na secagem, até que a umidade esteja em torno de 15%.

Outras implicações podem gerar perda de nutrientes do feno, como processo de corte, murchamento, presença de atividade biológica e ações mecânicas. Quando a forragem é colhida no estádio de desenvolvimento de máximo valor...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!