Falou

Em sintonia com os clientes

CEO da Premix, Marco Guidolin fala sobre a nova fase da empresa após aquisição da Paraíso Nutrição Animal

Falou

“A intenção é ficar com o que cada uma das empresas tem de melhor

Revista AG – A Premix anunciou, recentemente, a aquisição da Paraíso Nutrição Animal. Qual a estratégia da empresa com essa aquisição?

Marco Guidolin – Quando partimos para esse projeto, nosso intuito era consolidar a marca, principalmente no Centro-Oeste e no Norte do País. Também estar mais próximo dos nossos clientes e aumentar a força da nossa equipe nas regiões onde a Paraíso atua. Com essa fusão, a gente consegue uma logística mais eficiente tanto em Goiás como em Mato Grosso. Temos uma equipe mais competente, com mais gente no campo e prestando atendimento aos pecuaristas. A Paraíso tem um perfil de trabalho muito parecido com o nosso, de prestar atendimento e estar junto com os clientes nas fazendas.

Revista AG – As duas novas plantas de Goiás e Mato Grosso, recém-incorporadas, têm capacidade de produzir quantas toneladas de suplementos por dia?

Marco Guidolin – As duas plantas juntas vão aumentar em torno de 200 toneladas de produto/dia por turno.

Revista AG – Os produtos com a marca Paraíso continuarão no mercado ou serão reformulados?

Marco Guidolin – O que faremos, a partir de agora, é uma análise. Vamos pegar o que há de produto semelhante entre as empresas e o que há de produtos complementares. O que for complementar, adicionamos ao portfólio de produtos, e o que for semelhante vai para análises técnica e comercial para decidirmos qual fica no mercado. A intenção é ficar com o que cada uma das empresas tem de melhor.

Revista AG – O Norte também está no radar da empresa? Quais os planos para a região?

Marco Guidolin – Sem dúvida. A Paraíso tem um ótimo atendimento no Pará, e isso vai fortalecer a nossa participação nesse estado. Em paralelo com essa fusão com a Paraíso, inauguramos, em agosto, uma fábrica em Vilhena/ RO. O Norte também é uma região onde temos interesse em crescer.

Revista AG – No Tocantins, em especial, foi inaugurada uma usina fotovoltaica capaz de suprir a demanda energética da planta. Essa unidade atenderá a quais regiões produtoras?

Marco Guidolin – A usina fotovoltaica faz parte de um projeto voltado para a sustentabilidade financeira, ambiental e social. Ela entra justamente encabeçando esse projeto de ter uma produção feita com energia limpa. Isso nos traz uma melhor competitividade, com custo de produção mais baixo. Começamos esse projeto em Araguaína/TO, onde a fábrica vai ser 100% autossuficiente em energia. E também temos esse projeto em andamento em Presidente Prudente/SP.

Revista AG – O principal diferencial dos produtos da empresa é o “Fator P”. Por quais mudanças ele passou nestes quase 20 anos?

Marco Guidolin – O Fator P é um aditivo exclusivo da Premix. É um aditivo natural e não tem restrição, seja no mercado americano ou no europeu. É um produto que vai oferecer uma melhora no desempenho dos animais na casa dos 20%. Apostamos bastante nele. Você investe R$ 1,00 e captura R$ 10,00 lá na frente. A primeira versão dele foi para campo no ano 2000. De lá para cá, passou por cinco melhorias.

Revista AG – Entre os produtos das linhas de corte e leite, quais são os que mais se destacaram no último ano?

Marco Guidolin – Na linha de leite, tivemos o lançamento de um produto para pecuária leiteira de alta tecnologia, o Lactus Premium. Na linha de corte, temos um portfólio bem amplo, com custo-benefício excelente tanto para cria quanto para recria e engorda. Temos um projeto que está sendo desenvolvido chamado PP14, nutricional específico para se antecipar o primeiro parto da novilha para 24 meses. Para tanto, ela tem de emprenhar aos 13 ou 14 meses. É um protocolo de produto específico.

Revista AG – Em que consiste o conhecimento compartilhado, que figura entre uma das metas da empresa para os próximos anos?

Marco Guidolin – O conhecimento compartilhado é um dos nossos pilares de atuação. Buscamos fazer eventos com os nossos clientes justamente para promover essa troca de conhecimento. Também produzimos bastante material, com conteúdo técnico para quem busca informações sobre a cadeia produtiva da carne e do leite. Temos esse canal através de vídeos e textos técnicos.