Do Pasto ao Prato

Touro Dupla Marca é a geladeira com Selo A

Do

Fernando Velloso é médico-veterinário e sócio-proprietário da Assessoria Agropecuária FF Velloso & Dimas Rocha – www.assessoriaagropecuaria.com.br –

Redigir e discutir critérios de escolha de touros é tema que se repete, mas é matéria sem fim e que se renova a cada temporada de leilões de reprodutores e aquisição de sêmen. A necessidade se apresenta a cada ano, e os fatores que participam da decisão vão se tornando mais complexos com a incorporação crescente de tecnologia na seleção animal.

As informações disponibilizadas nos Sumários de Touros e Avaliações Genéticas, resultantes dos programas de melhoramento, seguem sendo critério principal para definir a escolha do touro A ou B. Genealogia, fenótipo, premiações e boas fotos têm bom apelo comercial e nos explicam um pouco sobre o produto, mas devem estar em segundo plano na escolha de touros. Devem ser tratadas como informações complementares.

Para escolha de touros para monta natural, o critério simples de priorizar touros com Dupla Marca ou CEIP (Certificado Especial de Identificação e Produção) é um ótimo começo, pois estaremos trazendo para o nosso rebanho touros superiores ou simplesmente positivos nos seus programas de avaliação. De forma bem simplificada, os touros que são identificados (marcados) com Dupla Marca (PP, CACA, HH, BB, DD etc.) ou que recebem o CEIP (principalmente nos zebuínos) são animais que desempenharam acima da média em comparação à sua geração ou safra de nascimento. Para os pecuaristas mais familiarizados com as DEPs, Índices, Dados de Carcaça e Genômica, pode-se ir mais no detalhe da busca do reprodutor especialista para a sua necessidade, mas para o gado comercial e para a produção de terneiros de qualidade, o us...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!