Falou

Aliada dos pecuaristas

O gerente de produtos da linha de antiparasitários da Ourofino Saúde Animal, Ingo Mello, exibe as inúmeras soluções da empresa a favor da sanidade dos bovinos de corte e leite do Brasil

Falou

“Lançamos mais de dez tecnologias inovadoras, entre endectocidas, antibióticos, antimastíticos, vacinas, carrapaticidas e reguladores hormonais para reprodução”

Revista AG – A infestação de carrapatos nas fazendas produtoras de bovinos de corte é um dos principais gargalos da produtividade. Quais soluções a Ourofino oferece para o controle estratégico e tático desses parasitas?

Ingo Mello – A Ourofino Saúde Animal possui a linha de antiparasitários mais completa do mercado. Quando o assunto é controle de carrapatos, contamos com o produto líder no tratamento desses ectoparasitas, o Colosso Pulverização. No portfólio, temos, também, o Colosso FC 30 e o Colosso Pour-on. Todas são soluções de contato direto sobre o parasita no animal e contam com a associação dos ativos clorpirifós, cipermetrina e óleo de citronela ou fenthion. Temos, ainda, o Superhion, que conta com mecanismo diferenciado e ação dupla. Pelo contato direto e sistêmico, por meio dos ativos fipronil e fluazuron – este é um potente inibidor de quitina –, a solução age sobre as formas imaturas dos carrapatos, prejudicando a formação dos mais de 3 mil ovos geralmente depositados pela fêmea desse parasita. Todos esses produtos são destinados para o controle estratégico de carrapatos e devem ser usados conforme os desafios das propriedades, o clima e as gerações de carrapatos ao longo do ano. Também auxiliam o controle tático, quando ocorrem movimentações de animais e aumento da população de carrapatos, devido às mudanças climáticas favoráveis às infestações.

Revista AG – Aliás, um dos grandes entraves para o controle de parasitas em vacas prenhes é o receio de que o uso dos antiparasitários possa provocar perdas gestacionais. Isto posto, a empresa detém tecnologia que possibilite fazer esse manejo sem risco de aborto?

Ingo Mello – O manejo sanitário de vacas gestantes requer cuidados especiais, manejo racional e boas práticas na aplicação de produtos para saúde animal. Todos os produtos da Ourofino destinados ao controle de carrapatos são seguros em qualquer etapa da gestação. Eles foram testados em estudos de resíduo, eficácia e segurança clínica, e atendem às normas regulatórias e de experimentação animal.

Revista AG – A queda na taxa de prenhez de vacas de leite é outro grande desafio dos criadores durante os períodos mais quentes e úmidos do ano. A Ourofino auxilia os produtores a ajustar, por exemplo, seu protocolo de inseminação artificial em tempo fixo, visando aumentar os índices de prenhez?

Ingo Mello – A empresa consolidou, ao longo da última década, uma linha completa de protocolos para IATF e que foi desenvolvida a partir de um grande número de estudos de eficácia. Desse modo, a companhia tem perfis de protocolos reprodutivos ajustados ao metabolismo de vacas mestiças ou puras, e de alta ou baixa produção de leite, aspecto que propicia um ajuste fino para que sejam alcançados os melhores resultados em cada protocolo.

Revista AG – Uma queixa comum entre os pecuaristas é sobre a falta de mão de obra qualificada para executar as mais variadas atividades dentro das propriedades. Que cursos a empresa já ministrou para seus clientes?

Ingo Mello – Atualmente, a Ourofino é a única empresa produtora de insumos para a saúde animal capaz de capacitar a mão de obra das fazendas. A companhia mantém, desde 2012, o Centro Técnico de Capacitação, onde já foram treinadas mais de 3 mil pessoas em diversos cursos, como em IA, IATF, ultrassonografia convencional e doppler, manejo racional, entre outros, contribuindo para o desenvolvimento do agronegócio brasileiro.

Revista AG – Aproveitando o gancho, a Ourofino firmou, recentemente, uma parceria com a Esalq/USP para levar orientação a respeito da qualidade da silagem utilizada nas fazendas. Como funciona esse atendimento?

Ingo Mello – Por meio da plataforma de análises laboratoriais Esalq-Lab, o técnico da Ourofino recolhe a amostra da silagem nas propriedades de clientes da empresa e envia para exame. Com a ferramenta, tem acesso aos resultados em até 24 horas. Com isso, pretendemos contribuir para o aumento da produtividade da agropecuária brasileira.

Revista AG – Quais foram os investimentos realizados pela companhia nos últimos anos para a linha de produtos destinada aos bovinos de corte?

Ingo Mello – Nos últimos anos, lançamos mais de dez tecnologias inovadoras, entre endectocidas, antibióticos, antimastíticos, vacinas, carrapaticidas e reguladores hormonais para reprodução. Também firmamos parcerias para a distribuição de inoculantes para silagem, probióticos e leveduras. Além disso, foi lançado, recentemente, o aplicativo Ourofino Saúde Animal (disponível para as plataformas iOS e Android), no qual constam informações técnicas e diversas facilidades para os clientes. Todas essas soluções ajudam a tornar o setor cada vez mais produtivo e competitivo.