Escolha do Leitor

LUZ NO FIM DO TÚNEL

Escolha

Inibidores de enzimas importantes do mecanismo de defesa do carrapato podem reverter resistência à ivermectina

Peter Moon

A perda econômica anual causada por parasitas é estimada em US$ 13,9 bilhões. Em outras palavras, as perdas com mortalidade, queda de peso, redução na fertilidade e diminuição de produtividade provocadas por eles equivalem ao dobro de tudo o que é exportado.

Os maiores causadores de prejuízos são os parasitas internos, como vermes gastrointestinais, responsáveis por perdas de US$ 7,1 bilhões (51%). Em seguida vêm os parasitas externos. Entre esses, nenhum causa mais prejuízos do que o carrapato bovino (Rhipicephalus (Boophilus) microplus), responsável por perdas de US$ 3,2 bilhões ao ano (23,2%). A mosca-dos-chifres causa perdas de US$ 2,5 bilhões (18,3%), enquanto o berne e a mosca-dos-estábulos somam perdas de US$ 1 bilhão (7,5%).

O controle do carrapato bovino é feito por meio da aplicação de pesticidas, o que conduz, invariavelmente, à seleção de linhagens resistentes. Hoje, no Brasil, o carrapato bovino apresenta resistência, em maior ou menor grau, a todos os pesticidas comerciais empregados no controle da praga.

Em um trabalho publicado na Scientific Reports, pesquisadores do Departamento de Genética e Biologia Evolutiva do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB/USP) e do Instituto de Pesquisas Veterinárias Desidério Finamor (IPVDF), em Eldorado do Sul/RS, identificaram mecanismos de resistência do carrapato bovino contra a ação da ivermectina, uma das drogas mais utilizadas na pecuária brasileira. A pesquisa teve apoio da Fapesp e do CNPq.

“A infestação ocorre no momento em que o carrapato se alimenta com sangue do animal. É quando o inseto inocula ...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!