O Confinador

ADITIVOS

Aplicação da biotecnologia no desenvolvimento pode aumentar a produção em ruminantes

O

Luís Eduardo Ferreira*

A criação de ruminantes é considerada um dos principais setores produtivos que movimentam grande parte da economia nacional. Tal importância exige dos setores público e privado a realização de grandes investimentos em pesquisa para o desenvolvimento de novos produtos e soluções que contribuam para a obtenção de resultados cada vez mais aplicáveis no campo. Na prática, todo conhecimento é pautado em pesquisas validadas, que têm como propósito gerar inovações e tecnologias que possam contribuir para a melhoria do manejo do rebanho, tornando, assim, o sistema pecuário mais produtivo, rentável e sustentável.

Nos últimos anos, diferentes linhas de pesquisa dentro da pecuária têm dado origem a vários avanços tecnológicos, que oferecem ao criador processos de manejo modernos e novas linhas de produtos para o mercado. Em especial, a área de nutrição animal possui diversas linhas de pesquisa que utilizam importantes métodos zootécnicos fundamentados em avaliar os efeitos biológicos das diferentes substâncias testadas como aditivos sobre o metabolismo da fermentação ruminal e, principalmente, no monitoramento dos índices de desempenho sobre o metabolismo dos animais em relação aos ganhos de peso e acabamento de carcaça, qualidade da carne que chega ao consumidor, entre outros.

Do ponto de vista metabólico, a fermentação ruminal ocorre graças à presença de uma rica flora de micro- organismos que se relacionam simbioticamente com esses animais no rúmen. Nessa relação biológica, o ruminante oferece os nutrientes e condições ideais para que ocorra a fermentação ruminal, e os micro-organismos oferecem aos ruminantes ...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!