Feno & Silagem

ADITIVOS PARA SILAGENS: ASPECTOS PRÁTICOS

Feno

Everton Dezordi Sartori*, Fernanda Fontoura da Silva**, Manuela Leal Wolf***, Júlio Barcellos****, Eduardo Lisbinski*

Em qualquer abordagem sobre aditivos para silagens, a primeira lembrança que surge é a dos inoculantes. Contudo, além destes, há uma grande gama de materiais e produtos que podem ser utilizados no processo de ensilagem. Nesse sentido, para um melhor entendimento das razões de sua utilização, é premissa definir o processo de conservação da silagem (mais detalhes em edições anteriores desta seção na Revista AG).

A silagem é o resultado de um processo natural que permite a conservação da forragem através da acidificação causada pelas bactérias fermentativas que, ao utilizarem o açúcar da planta como substrato, produzem ácidos orgânicos. Logo, entre os diversos fatores que afetam o sucesso disso têm-se o tamanho da população da microflora epifítica (que ocorrem naturalmente na superfície da planta) e a disponibilidade de substrato para fermentar. Além, obviamente, da ausência de ar, pois a fermentação desejável durante a ensilagem é aquela que ocorre em anaerobiose. Assim, uma forrageira que apresenta teores adequados de matéria seca e disponibilidade de carboidratos solúveis ao momento da ensilagem, a priori, dispensa o uso de aditivos. Contudo, nem sempre esse cenário apresenta-se favorável, fazendo-se necessário o uso desses com o objetivo principal de inibir a ocorrência de fermentações indesejáveis, o que comprometeria a qualidade da silagem.

A escolha do aditivo se dará, portanto, em consequência das limitações impostas pela forrageira no momento da ensilagem, as quais dificultam a correta fermentação e conservação. Os aditivos utilizados durante a ensilagem pertencem aos grupos ...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!