Sobrevoando

CEIP

Toninho Carancho
[email protected]

O Certificado Especial de Identificação e Produção (CEIP), documento emitido pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, o famoso Mapa, para os animais que possuem capacidade comprovada para aumentar a produtividade dos rebanhos, está causando uma verdadeira revolução no mercado da raça Nelore. Associado ao uso das DEPs, diferenças esperadas da progênie, o CEIP tem chancelado animais realmente diferenciados no quesito produção.

Estive sobrevoando, esses dias, a fazenda de um amigo e criador de Nelore “ceipado” e também grande produtor de meio-sangue Angus e fiquei realmente impressionado com o que vi por lá.

Encontrei um Nelore totalmente adaptado às condições de campo do MS, com frame mais baixo, perto do chão. Animais com pouca luz, como dizem alguns amigos do Prata (gado com muita costela, muita profundidade, que, se fossem colocados contra a luz, deixariam muita sombra, preenchendo quase todo o espaço), e, além disso, bastante pesados, com excelente condição corporal e muito, muito precoces.

Tive a oportunidade de ver “vacas” completando dois anos bem amojadas, quase parindo, e outras com três anos com bezerro ao pé, prontos para serem desmamados. E pesados, tanto as vacas quanto os bezerros

Índices de natalidade muito altos, beirando os 90%, estação de IATF e monta curtas, descarte de todas as fêmeas que resultem vazias quando feito o toque, controle total e rígido sobre a filiação, manejo sanitário, régua de DEPs, acasalamento, custos, reformas de pastagem (utilizando o plantio de soja), enfim, a verdadeira Pecuária de Precisão.

Também gostei muito do sistema de marcação a fogo de todo o gado (em outro artigo, comentei sobre a marcação a fogo, e talvez minha opinião tenha mudado mudado um pouco), e no Nelore esse sistema funciona muito bem, porque as marcas ficam muito visíveis, diferentemente do ...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!