O Confinador

ALIMENTOS EXTRUSADOS COM ADIÇÃO DE FIBRAS

O

Esta ferramenta é capaz de gerar melhorias no desempenho animal e rentabilidade das fazendas

Rodrigo Anselmo*

O mercado de produção animal brasileiro tem avançado muito nos últimos anos, mas ainda é um setor pulverizado, pouco profissionalizado e de baixa tecnologia. Apesar disso, o Brasil é responsável pela produção de 9,5 milhões de toneladas de carne bovina, o que corresponde a 15,4% do total produzido no mundo, colocando o País na segunda posição desse ranking, ficando atrás apenas dos EUA, segundo dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, na sigla em inglês).

Atualmente, é irrisória a quantidade de arrobas produzidas no Brasil provenientes de sistemas de confinamento, isso significa que o País possui elevado potencial para crescimento de sua produção, entretanto, esse desenvolvimento dependerá do uso de mais tecnologia e adoção de melhores práticas.

Muitas vezes, produzir animais em sistemas de semiconfinamento e confinamento propiciará consideráveis aportes financeiros, mas também traz consigo a engorda mais rápida do gado e o aumento da rentabilidade do produtor.

Nesse sentido, a nutrição, como componente determinante para o sucesso ou o fracasso do negócio, pode ser vista como custo ou investimento por parte do pecuarista, tudo depende do entendimento.

Hoje, há uma série de soluções inovadoras para rentabilizar economicamente as propriedades rurais e, consequentemente, seus índices zootécnicos, entre elas, citamos tecnologia em nutrição animal, item que corresponde com 70% da produção de carne e leite.

O uso da ração extrusada com adição de fibra nos mais variados modelos produtivos, incluindo os regimes de semi e confinamento...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!