Santo Capim

PLANTAS INVASORAS DA PASTAGEM (Parte 2)

Santo

Adilson de Paula Almeida Aguiar é zootecnista, investidor nas atividades de pecuária de corte e leite, professor de Forragicultura e Nutrição Animal e Consultor Associado da Consupec - Consultoria e Planejamento Pecuário Ltda.

Dando continuidade ao artigo sobre o tema “Plantas invasoras da pastagem”, agora com as consequências da presença dessas plantas na pastagem e os métodos para manejo e controle.

As plantas invasoras competem com a planta forrageira pelos fatores de crescimento, luz, dióxido de carbono, água e nutrientes, como também por espaço. Aquelas de folha larga conferem menor proteção ao solo contra o impacto de chuvas e a radiação solar, contra o pisoteio de animais e de máquinas, devido aos seus hábitos de crescimento e à morfologia de sistema radicular. Como resultado dessa competição, ocorre redução da produção de forragem e da capacidade de suporte (UA/ha), pela impossibilidade dos animais colherem a forragem que está sob e dentro das moitas de plantas invasoras, principalmente quando possuem espinhos.

Ainda ocorre diminuição do desempenho animal por causa da menor qualidade de forragem (empobrecimento da composição química, queda da digestibilidade e redução de sua disponibilidade). Diminuindo a capacidade de suporte e o desempenho individual, ocorre redução da produtividade por hectare e redução na receita da atividade.

Ao mesmo tempo, incorre aumento de custos de produção na tentativa de controlar as plantas invasoras, com frequentes casos de insucessos e de frustrações, na maioria das vezes, devido à falta de orientação técnica e à adoção de métodos inadequados.

Ainda como consequências, agora indiretas, podem acontecer ferimento dos animais ...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!