Caindo na Braquiária

Seguro a tricross Brangus para reposição de plantel?

Caindo

Alexandre Zadra – Zootecnista
[email protected]

É incrível como nosso povo é conversador. Dias atrás, encontrava-me na fila do embarque no aeroporto de Barra do Garças/MT batendo um papo descontraído com outro passageiro, enquanto nos preparávamos para pegar o voo, quando surgiu a curiosidade mútua sobre nossas atividades profissionais. Foi aí que descobrimos a pecuária de cria como ponto em comum, além de descobrir que era um parente de um grande amigo.

Assim que passamos pela revista normal, já na sala de embarque, João Lucas, sabendo da minha paixão e interesse pelo cruzamento entre raças, inquiriu-me de pronto: “Minha fazenda fica em Cocalinho. Como sabe bem, é uma região muito quente. Minhas vacas são Nelore e F1 Angus. Usei Brangus nas F1 Angus, nas quais abati os filhos desse cruzamento (tricross Brangus), após serem confinados, ganhando muito peso. Pergunto para você, Zadra: devo segurar as fêmeas Brangus para reprodução? Caso venha segurar, qual raça recomenda para continuar aproveitando as filhas da Brangus na reprodução? Ou acha que devo matar todas, fazendo um cruzamento terminal?”.

É muito comum, no meio pecuário, “consultores” de plantão sem experiência na área fazerem recomendações de raças e cruzamentos sem conhecerem a fundo os resultados desses e suas consequências, suscitando equívocos que devem ser mitigados através de fundamentos sólidos.

Após João informar seus objetivos e condições de manejo, detalhei que, naquele clima quente da região, o tricross Brangus demonstra seu potencial produtivo quando recebe uma suplementação alimentar condizente com seu metabolismo, ou seja, deve receber ração e dispor de pastos bem di...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!