Manejo

Criando conexões

Manejo

Manejo a distância e calmo melhora produtividade. Fêmeas Nelore submetidas à IATF que caminham no curral emprenham mais que aquelas que marcham ou correm

Antony Paulo Luenenberg*

Os primeiros relatos sobre bovinos datam de 30.000 anos a.C. Esses ruminantes foram uns dos primeiros animais a serem domesticados pelos seres humanos, entre 5.000 a 6.000 anos a.C. À medida que se intensificaram os sistemas de produção, houve perda da relação de confiança entre homem e bovinos, gerando novos desafios.

A crescente preocupação mundial de consumidores, cada vez mais exigentes com segurança alimentar, a falta de informação sobre os sistemas de produção dos bovinos e o estreitamento das margens de lucro têm exigido dos pecuaristas novas maneiras de gerir seu negócio. Nesse contexto, o bem-estar animal torna-se uma excelente oportunidade para abrir novos mercados, agregar valor ao produto final, por meio da redução das perdas causadas pelo mau manejo, e aumentar a lucratividade das fazendas.

Há três anos, chegou ao Brasil o programa de bem-estar animal denominado Criando Conexões. Essa iniciativa tem como missão despertar o interesse da cadeia pecuária para o potencial que uma comunicação efetiva entre pessoas e animais possui na melhoria do ambiente de trabalho, na segurança das pessoas e no bem-estar animal. Esse programa foi desenhado para expandir a compreensão de como a interação entre os humanos e o gado afeta sua saúde e o conforto do rebanho. Através de movimentos calmos, confiantes e sem a utilização de objetos, cria-se uma experiência positiva para o animal, elevando sua confiança.

A técnica aplicada no programa baseia-se no manejo dos bovinos através da linguagem corporal, na visão e na confiança mútu...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!