Nutrição

SILOBAG

Nutrição

Tecnologia é utilizada na conservação de alimento e ganha espaço na pecuária brasileira

Flávio Claras de Souza*

Com o lançamentos de novos projetos de embutidoras, maiores e mais velozes, os silobags ampliam a atuação no Brasil e passam a atender um novo nicho de mercado: a produção e conservação de alimento de alta qualidade, produzidos em larga escala e voltados à pecuária de corte, leite, suinocultura e também a projetos de produção de silagem destinada à comercialização, cuja demanda cresce anualmente.

Criado na Alemanha, no final da década de 1970, para produzir silagens de grãos úmidos, esse sistema foi adotado por países como EUA, Canadá, Argentina e Uruguai. Devido às características de anaerobiose do ambiente, o silobolsa passou a ser utilizado também na produção de silagem volumosa nesses países, reduzindo drasticamente os índices de perda dos materiais ensilados.

Desenhado e consolidado na alimentação animal e responsável por confeccionar metade da produção de silagem do País, no final dos anos 1990, os produtores de grãos argentinos iniciaram os primeiros testes da tecnologia, utilizando as bolsas para armazenar grãos secos com finalidade comercial. Os resultados positivos desses trabalhos iniciais tornaram a bolsa uma excelente alternativa para driblar a deficiência no transporte e na armazenagem da produção agrícola argentina, onde, hoje, praticamente 100% da soja produzida passa em algum momento pela bolsa, e, em alguns casos, o produto chega a ser embolsado duas vezes. Embala-se na lavoura, no momento da colheita e, posteriormente, na indústria ou armazém comprador.

Presente no Brasil desde esse período, os silobolsas andaram na contramão do comportamento do mercado mundial, destacando-se, primeiramente, como ferramenta de apoio para desafogar o gargalo logístico e de armazenagem de grãos, quando ganhou credibilidade sendo utilizado por produtores rurais, armazéns e indústria alimentícia, que armazenou, no ano de 2016, aproximadamente 10% da safra de grãos brasileira e conta com equipamentos para todos os portes de produtores, estando adaptados às necessidades logísticas de cada estabelecimento.

Na pecuária brasileira, os silobolsas assumiram um papel não menos importante, proporcionando a pequenas, médias e grandes propriedades versatilidade nas utilizações, participando na confecção de silagem de grãos úmidos, silagem de volumoso e possibilitando receber e armazenar grãos secos e outros subprodutos da agroindústria utilizados na dieta dos animais. Viabiliza projetos de confinamento ou semiconfinamento, em que há pouca ou nenhuma estrutura e já é utilizado nos mais importantes projetos de carne e leite do Brasil, em todas as regiões, de Norte a Sul.

No caso das silagens, essa tecnologia se diferencia positivamente de outros métodos de conservação pela praticidade operacional, resultado qualitativo e quantitativo dos materiais ensilados. Mantém as qualidades originais dos produtos ensilados e reduz as tradicionais perdas de silagem (aproximadamente 20%), a taxas próximas a 0%.

Benefícios

A ensilagem é um método de conservação de alimento úmido que acontece graças à presença de ácido lático produzido por bactérias específicas mediante um processo de fermentação anaeróbica. Os fatores que definem a qualidade final de um silo são:

- Ponto de corte (maturação da planta, depende de fatores climaticos).

- Tamanho de partícula (definição e regulagem da picadora).

- Capacidade de compactação e velocidade de fechamento do silo (abastecimento do silo, ambiente e equipamentos para compactação, além da qualidade da lona).

O tempo de velocidade de fechamento do silo e a barreira ao oxigênio do plástico determinam de forma direta o final da respiração e início da fermentação, que inicia acética e, dependendo da velocidade, leva o material ao estado anaeróbico rapidamente e se transforma em láctico, acelerando a estabilização do pH e a finalização de queimas de nutrientes por aquecimento durante o processo fermentativo.

Os tubos de polietileno flexível são fabricados sob o processo de coextrusão em 3 ou 5 camadas utilizando em sua formulação matérias- primas de última geração e 100% virgens (100% recicláveis). A soma de aditivos de absorção de raios UV e a união de diferentes camadas conferem ao filme do silobag alta reflexão solar e absorção de temperatura, alta resistência mecânica (impacto, rasgo, alongamento) e uma excelente barreira ao oxigênio.

Essas características conferidas ao filme plástico, somadas à velocidade de embutimento, levam a massa ensilada ao alcance de anaerobiose imediata, reduzindo o tempo de início do processo fermentativo anaeróbico desejado e acelerando a estabilização do Ph, o que se traduz nos principais benefícios da utilização dessa ferramenta em comparação a outras formas de confeccionar silagens e destaca o silobolsa como uma solução para a redução de perdas. Cada quilo de material que entra na bolsa inicia imediatamente o processo de fermentação anaeróbica.

Nutrição

Dinheiro perdido com desperdício paga investimento para se ter um alimento de alta qualdiade na propriedade

Viabilidade

Logo que chegou ao Brasil, a utilização dessa tecnologia dependia de máquinas e plástico importados, sendo vista como uma tecnologia de alto valor inicial e, em momentos de oscilação de valores do dólar, tornou-se quase inviável.

Nesse momento, a indústria plástica e a indústria de máquinas baseadas nas deficiências de finalização do processo de confecção e manutenção de silagem se posicionaram a favor da tecnologia e benefícios econômicos surgiram para a cadeia produtiva na forma de parques fabris nacionais, buscando estabilização de preços e continuidade do fornecimento de seus produtos ao mercado.

Nesse mesmo sentido, as indústrias estão em constante desenvolvimento de produtos, para diminuir os custos do plástico e atender às necessidades de cada perfil de produtor com novos projetos, maquinário para grãos úmidos de maior diâmetro e capacidade de moagem por hora/máquina, equipamentos para receber grãos comprados fora da propriedade e recebidos na embutidora via caçamba basculante. Destaque para os novos modelos de embutidoras de silagem, projetadas para atender à velocidade de corte das forrageiras automotrizes e abastecidas via caçamba basculante, que acompanha a forrageira na lavoura.

Com o advento dessas grandes embutidoras, que acompanham as automotrizes, nasce outra via de acesso ao produtor através da prestação de serviço, possibilitando a pequenos e médios produtores conhecer e desfrutar da tecnologia, o que dispensa investimento inicial em equipamentos.

A satisfação dos clientes está diretamente ligada aos benefícios obtidos na adoção dessa tecnologia e que, com custos cada vez mais baixos, torna a relação custo-benefício mais favorável para o silobolsa.

Hipoteticamente falando, uma tonelada de silagem de milho tem um custo médio de R$ 150,00 e estimando uma perda baixa, de 10%, o custo foi de R$ 15,00, o mesmo valor para embolsar. Possibilitaria ao produtor o beneficio de desfrutar totalmente da qualidade do alimento para transformar em carne ou leite.

Em panorama de 1.000 toneladas produzidas, 10% equivaleriam a 100 toneladas (100.000kg).

Por exemplo, 100.000 kg/90 dias de confinamento/ 10 kg consumo diário seria igual à capacidade de alimentar 111 animais a mais no período.

Nesse momento de crise, incertezas de mercado, preços de carne e leite abaixo da expectativa e muitas vezes abaixo dos custos do produtor, é fundamental primar pela eficiência, otimizar processos e reduzir custos

Portanto, fica para reflexão: qual é o real custo da perda? Em quanto posso aumentar o faturamento da propriedade eliminando desperdício?

Em um estudo de caso na fazenda de Leomar Serafini, agricultor e confinador em Cachoeira do Sul/RS, que produz anualmente 2.000 toneladas de silagem de grãos úmidos e 5.000 toneladas de silagem de milho planta inteira, foi possível ter uma ideia da resposta a esses questionamentos: “Já utilizo as bolsas para grãos úmidos há muitos anos e adquiri a segunda embutidora com novo modelo de moinho. Quando utilizei as bolsas para silagem, jurei nunca mais fazer silo na terra e fui o primeiro cliente do Brasil a comprar uma embutidora de forragem de alta velocidade”, disse.

*Flávio Claras é proprietário da Silofaz Silobags - [email protected]


Principais benefícios de embolsar a silagem

• Manutenção das qualidades originais do produto e redução de perdas nutricionais (comuns em silos trincheira e silos de superficie ).

• A rápida estabilização do ph inibe fermentações secundárias e “Reações de Mailard” (nutrientes aparecem percentualmente nas análises, mas tornam-se “indisponíveis” quando ligados à fibra por aquecimento).

• Aumento da palatabilidade e digestibilidade do alimento;

• Redução de perdas físicas por fermentação aeróbica e aquecimento, comuns em grandes silos de superfície e trincheiras, pelo longo tempo de exposição do material ao oxigênio na pré-vedação

• Redução de perdas por fermentação aeróbica e aquecimento durante a extração e utilização do produto. Menor aérea de exposição ao oxigênio após abertura.

• Redução da mão de obra e, consequentemente, responsabilidade com pessoal. Resume as operações de distribuição, organização, compactação e vedação a uma única operação.

• Aproveitamento nutricional e eliminação do vazamento, perda e apodrecimento de chorume que se reincorpora à massa por “osmose” e consequente eliminação de odor e contaminação de lençóis freáticos.

• Permite adaptar a quantidade de silo à realidade pontual da propriedade, aumentando ou diminuindo a quantidade de silagem sem a necessidade de novos investimentos em silos de alvenaria.

• Oferece a possibilidade de alocar o silo em qualquer ponto da propriedade, permitindo armazenar alimento ou receber o produto em locais sem estrutura como novos projetos e recria, entre outros.