Sala de Ordenha

Pressão de baixa deve perder força

A produção de leite em alta e a dificuldade de escoamento dos produtos lácteos continuam pressionando para baixo o mercado interno.

Segundo levantamento da Scot Consultoria, no pagamento de setembro, referente ao leite entregue em agosto, houve queda de 3,6% em relação ao pagamento anterior, considerando o preço médio nacional.

No acumulado desde junho, quando o preço ao produtor começou a cair, a desvalorização é de 7,5%.

A média dos dezoito estados pesquisados ficou em R$ 1,087 por litro, 8,9% menos na comparação com igual período do ano passado (veja a Figura 1).

Figura 1 - Cotação média nacional ponderada do leite ao produtor - em R$/litro, valores nominais

Sala

A produção brasileira de leite (matéria-prima) cresceu 2,1% em agosto deste ano, frente a julho último, segundo o Índice Scot Consultoria de Captação.

Para setembro, os dados parciais apontam para aumento de 0,5% no volume captado, na comparação mensal.

O aumento dos custos de produção, as condições ruins das pastagens e as margens da atividade se estreitando deverão interferir no ritmo de crescimento da produção de leite em outubro e novembro, até a retomada do capim e melhoria da capacidade de suporte das pastagens.

Para o pagamento a ser realizado em meados de outubro (produção de setembro), 70% dos laticínios pesquisados pela Scot Consultoria acreditam em queda no preço do leite ao produtor, 28% falam em manutenção e os 2% restantes acreditam em alta nos preços do leite.

Ou seja, continua a pressão de baixa em curto prazo, mas alguns fatores nos mostram que o ritmo de queda deverá ser menor nos próximos meses, podendo o mercado ganhar sustentação a partir de novembro. São estes fatores de sustentação: os estoques mais enxutos nas indústrias, a tendência de estabilidade nos preços dos lácteos no atacado, preços pararam de cair no mercado spot, além da expectativa de uma retomada do crescimento da economia, o que seria bastante positivo para o consumo em médio e longo prazos.

Para o pagamento de novembro, aumentou a porcentagem de laticínios falando em manutenção nos preços do leite ao produtor. No Sul do País, algumas indústrias sinalizam alta de preços, ainda que ligeiras, a partir de novembro.

Margem apertando

O Índice de Custo de Produção da Scot Consultoria para a atividade leiteira teve alta de 2,3% em outubro, em relação a setembro deste ano. Foi o terceiro mês consecutivo de aumento nos custos.

O reajuste positivo nos preços dos alimentos energéticos, dos suplementos minerais e dos produtos para sanidade puxou a elevação dos custos.

No entanto, apesar da alta nos últimos meses, os custos de produção estão 12% abaixo na comparação com igual período do ano passado.

Para o produtor de leite, com o aumento nos custos de produção e seguidas desvalorizações no preço do leite pago ao produtor as margens da atividade estão se estreitando. Esse fato já começa a pesar nos gastos com alimentação do rebanho e nos investimentos na atividade, o que poderá refletir na produção em curto e médio prazos.

Rafael Ribeiro de Lima Filho, zootecnista Scot Consultoria