Uma edição que vale por 12. A publicação destaca análises anuais dos principais setores da pecuária brasileira.

Informação com credibilidade há 17 anos!

Escolha do Leitor

Mosca-dos-estábulos

Propriedades e usinas têm de realizar o controle de forma conjunta. Eliminação dos criadouros é a melhor alternativa

Paulo Cançado & Tadeu Barros*

A mosca-dos-estábulos (Stomoxys calcitrans) é comum em todo o país e se alimenta de sangue de vários animais, principalmente equinos e bovinos, além de animais silvestres e, eventualmente, o homem. Embora parasite outros animais de criação, os bovinos são os mais afetados, com perdas de 10% a 30% no ganho de peso e até 50% de redução na produção leiteira. Estima-se que os prejuízos causados por esta mosca no Brasil podem atingir 350 milhões de dólares anualmente.

Embora as infestações sejam mais comuns em gado de leite, devido ao desenvolvimento das larvas da mosca em resíduos de alimentos e dejetos animais acumulados nas propriedades, explosões populacionais (surtos) da mosca-dos-estábulos têm sido cada vez mais frequentes também em gado de corte.

Na última década, surtos da mosca- -dos-estábulos têm causado sérios prejuízos a pecuaristas nas proximidades de usinas sucroalcooleiras em pelo menos cinco estados brasileiros. Nos últimos três anos, mais de 15 surtos foram registrados em sete municípios de Mato Grosso do Sul, além de surtos registrados também em São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso e Goiás.

As usinas são frequentemente apontadas pelos produtores afetados como a causa dos surtos, razão pela qual também se juntaram aos pecuaristas no combate a essa praga. Além dos prejuízos econômicos, a ocorrência de surtos frequentemente leva um grave conflito entre os setores envolvidos. Entretanto, apesar dos anseios da sociedade, não existe solução para o problema no curto prazo. Embora comprovada a relação entre fazendas de gado e usinas alcooleiras na dinâmica dos surtos, vários aspectos importantes sobre sua epidemiologia são ainda pouco conhecidos e precisam ser investigados. Nesse sentido, a Embrapa tem desenvolvido pesquisas com o objetivo de desenvolver tecnologias que permitam prevenir ou reduzir significativamente o problema.

No Brasil, a produção de cana-de- -açúcar está em expansão acelerada em função do grande incentivo à produção de álcool combustível. O número de usinas e áreas de cultivo canavieiro cresce sistematicamente, implicando em maior quantidade de subprodutos orgânicos gerados. Desde 2008, a ocorrência de surtos tem sido registrada com frequência, particularmente pela mídia.

Explosões populacionais da mosca têm sido cada vez mais frequentes

Pesquisas mais recentes mostram que a torta de filtro (resíduo sólido da filtragem do caldo da cana-de-açúcar) e a palha da cana misturada com a vinhaça ou vinhoto (resíduo da destilação do caldo fermentado durante a produção de álcool) são os principais locais de desenvolvimento e multiplicação de moscas nas usinas de cana-de-açúcar.

Segundo Paulo Cançado, outra linha de ação para a prevenção de surtos está o uso da queima profilática da palha residual pós-colheita

É importante ressaltar que surtos da mosca-dos-estábulos também podem ocorrer sem a participação das usinas canavieiras. Resíduos de suplementação alimentar (ração, silagem, feno, etc.), misturados com dejetos animais, são excelentes ambientes de desenvolvimento da mosca nas propriedades pecuárias, proporcinando a reinfestação dos rebanhos e servindo de fonte de dispersão das moscas para multiplicação nas usinas. Além disso, nos últimos anos, vários surtos têm sido decorrentes do uso inadequado de adubos orgânicos, como a cama-de-frango e efluentes de suinocultura, agravando ainda mais a situação.

Assim, as estratégias de controle e prevenção devem ser direcionadas para a eliminação dos locais de criação da mosca, devendo ser incorporadas na rotina das fazendas e usinas. O manejo sanitário nas propriedades pecuárias é fundamental ao controle da mosca. Ou seja, para o pecuarista, a recomendação principal é a remoção e o adequado destino dos resíduos alimentares e dejetos animais espalhados ao redor dos cochos, leiterias, etc. Uma sugestão é a compostagem dos resíduos, com posterior utilização como adubo. Ações complementares incluem também o controle de vazamentos e drenagem do terreno para evitar empoçamentos, particularmente próximos a cochos. Essas medidas são de baixo custo e contribuirão significativamente na redução da população da mosca-dos-estábulos.

Por outro lado, em função do grande volume de substratos orgânicos e extensas áreas favoráveis ao desenvolvimento das larvas, o controle da mosca nas usinas demanda ações de manejo cultural específicas para reduzir a população de moscas, nas áreas de plantio de cana-de- -açúcar. Algumas das principais medidas a serem adotadas nos canaviais incluem a redução do volume de vinhaça por hectare, recolhimento da palha antes da aplicação de vinhaça, enterrio da palha (sub-solagem) após a fertirrigação e enleiramento com posterior revolvimento da palha. De modo geral, essas medidas visam aumentar a absorção da vinhaça e das águas de chuva pelo solo e diminuir umidade e, consequentemente, a favorabilidade dos ambientes ao desenvolvimento das larvas.

A aplicação de produtos inseticidas comerciais apresenta resultados variáveis no curto prazo, sendo economicamente inviável em médio e longo prazos. Não existem informações seguras sobre como, quando e onde aplicar os inseticidas, principalmente em larga escala, o que compromete sua eficácia. O uso de inseticidas no controle das moscas-dos-estábulos sobre os animais tem se mostrado pouco eficiente nas formulações atualmente disponíveis, tornando imprescindíveis as ações preventivas nos criadouros.

Em outra linha de ação para a prevenção de surtos está o uso da queima profilática da palha residual pós-colheita. A Embrapa Gado de Corte publicou um comunicado técnico sobre sua utilização como alternativa para controle de mosca- dos-estábulos em situações críticas. Ainda assim, para o uso do fogo como método de controle, são necessárias autorizações nos órgão competentes, uma vez que as queimadas são regulamentadas por leis específicas.

Cabe ressaltar que, para um combate eficiente da mosca, fazendas e usinas deverão trabalhar em conjunto. Mesmo em locais onde as usinas adotaram medidas preventivas, não houve redução do problema sem a efetiva participação dos pecuaristas e vice-versa. Mais informações sobre surtos e medidas de controle podem ser encontradas no Documento 175 e no Comunicado Técnico 126 da Embrapa Gado de Corte. Ambos estão disponíveis no site institucional (http://www.cnpgc. embrapa.br/) na área de publicações.


Alternativas de controle da mosca-dos-estábulos

● Manter a higiene das instalações, principalmente naquelas propriedades com sistema de confinamento ou leiterias; limpando sistematicamente fezes e restos alimentares.

● Remoção e destino adequado (espalhamento ou compostagem) dos resíduos alimentares de animais, bem como de dejetos e matéria orgânica acumulados, pois representam fontes de criação de larvas.

● Revolver o material de compostagem completamente duas vezes por semana e drenar a água da chuva.

● Avaliar a eficácia dos diferentes princípios ativos dos inseticidas utilizados no combate às moscas adultas antes de sua aplicação visando ao seu controle.

● Usar, quando necessário, inseticidas que sabidamente funcionam, na dose correta e com origem reconhecida e registro para uso em animais.

● Procurar a assistência técnica sempre e, especialmente, quando for percebido que os produtos de controle não estão fazendo o efeito desejado por mais que sigam corretamente as indicações contidas nos respectivos rótulos.

● Realizar o controle químico quando necessário, apenas nos dias previamente programados, de forma coordenada. Assim, assegura-se o controle efetivo e duradouro e aumenta o tempo de repovoamento da área tratada. Essa programação deve incluir todas as propriedades envolvidas e adjacentes ao problema.

O uso de inseticidas de maneira generalizada e repetida, baseado no comportamento da mosca-dos-estábulos (instalações, locais de proliferação, demais ambientes de refúgio, entre outros), pode trazer desequilíbrios ambientais e pode propiciar resistência.

Com o objetivo de diminuir uma possível contribuição da vinhaça para a multiplicação da mosca, sugere-se:

● distribuição fracionada em duas etapas com intervalo entre aplicações, suficiente para que seja rapidamente absorvida pelo solo;

● realizar trato cultural de incorporação da palha de cana pós-colheita ao solo após a primeira aplicação de vinhaça;

● não distribuir quando o solo ainda estiver encharcado com água de chuvas. A distribuição fracionada da vinhaça, em razão de as moscas serem por ela atraídas para efetuar a postura, pode influenciar negativamente na sobrevivência das larvas;

● no caso da aplicação nos canaviais, pode- se obter sucesso no controle de ovos e larvas ao utilizar a primeira fração de vinhaça como isca para postura, realizando, em seguida, tratos culturais para incorporação da palha acumulada sobre o solo (empregando cultivadores), enterrando- se, assim, também ovos e larvas.

Independentemente da existência ou não de usinas sucroalcooleiras nas proximidades da área de produção animal, recomenda-se a limpeza dos locais de ajuntamento de resíduos alimentares e excrementos de animais, que ocorrem em currais, locais de ordenha, baias, confinamento e malhadouros (locais de pernoite), ou qualquer local que possa acumular matéria orgânica.

Pastagens vedadas, com abundância de forragem seca e palhada, também podem, em condições de muita umidade, permitir desenvolvimento. Assim, o manejo da pastagem torna-se importante estratégia auxiliar.

*Paulo e Thadeu são pesquisadores da Embrapa Gado de Corte (Campo Grande/MS)