Uma edição que vale por 12. A publicação destaca análises anuais dos principais setores da pecuária brasileira.

Informação com credibilidade há 17 anos!

Seleção

 

Genética provada

Impacto econômico no uso de touros melhoradores na estação de monta

Raysildo Barbosa Lôbo e Victor Eduardo Sala*

O planejamento produtivo e econômico inicia-se com o estabelecimento da estação de monta (E.M) e seu principal objetivo é auxiliar de forma direta na avaliação genética de reprodutores e matrizes, a partir da formação de grupos de contemporâneos e facilidade de coleta sistemática de informação, além de sistematizar a mão de obra na fazenda.

A escolha correta do touro para a estação de monta reflete de forma direta no sucesso produtivo e econômico, devendo-se levar em conta o potencial genético do animal, juntamente a sua funcionalidade com relação a aprumos, conformação frigorífica e umbigo, além do exame andrológico.

O objetivo do presente trabalho é mostrar o quanto o uso de touro melhorador agrega valor à progênie e seu reflexo, na lucratividade do negócio e na redução no ciclo de produção. Os dados para o presente trabalho foram extraídos, do sumário de touros, do Programa Nelore Brasil, referente à avaliação genética de julho de 2013.

Para a verificação do efeito do uso de touros melhoradores, foram realizados quatro grupos, baseados no percentil do MGT: Touros Melhoradores 1 (TM1), constituído de animais TOP 0,1% a TOP 15%; Touros Melhoradores 2 (TM2), animais a partir de TOP 15% a TOP 30%; Touros Comuns (TC), animais a partir de TOP 35% a TOP 50%; e Touros Inferiores (TI), animais a partir de TOP 50% a TOP 100.

O ganho em quilogramas (kg) para cada grupo, para peso a desmama e peso aos 450 dias, foi estimado a partir da média das DEPs de peso a desmama (DP210) e aos 450 dias (DP450). Os resultados dos grupos (TM1, TM2, TC e TI) foram simulados para 1.250 matrizes com taxa de prenhez de 80%, resultando em 1.000 progênies, com nascimentos iniciados entre setembro e outubro.

Para o cálculo de retorno econômico, foi considerado abate aos 30 meses, com rendimento de carcaça de 53%, arroba a R$ 95 (média entre boi e vaca), e R$ 3,80 o kg médio do bezerro desmamado (macho e fêmea).

RESULTADOS

A progênie do grupo TM1 apresentou média superior para peso a desmama, de 53,07%, 187,5% e 272% comparados aos grupos TM2, TC e TI respectivamente. Para peso aos 450 dias as médias são 57,8%, 195% e 311,5%, comparado aos grupos TM2, TC e TI. O aumento no desempenho da progênie é resultante da maior pressão de seleção aplicada sobre os reprodutores, uma vez que foi considerado como 0 (zero) a DEP das matrizes para as características estudadas.

O valor agregado da progênie e o aumento no retorno econômico, pela utilização de touros melhoradores, são mostrados na tabela abaixo.

O retorno econômico médio, com a utilização de touros melhoradores (TM1 e TM2) na estação de monta, para as características, peso a desmama e peso aos 450 dias, é ao redor de 137% e 141%, respectivamente, se comparado com o grupo TC. Comparando com o grupo TI essa diferença é 242,15% e 272,77%, para peso a desmama e peso aos 450 dias, respectivamente.

A progênie do grupo TM1 apresentou retorno econômico 187% e 195% superior para peso a desmama e peso aos 450 dias, respectivamente, comparado com o grupo TC. A progênie do grupo TM2 apresentou retorno econômico de 87,8% e 87,1% para peso a desmama e peso aos 450 dias respectivamente, quando comparanda com o mesmo grupo.

Rosa et al. (2013), estudando o impacto econômico da utilização de touros, encontrou retorno econômico de R$ 16,21 por animal desmamado, considerando o valor médio da arroba R$ 3,65. Valor próximo ao retorno econômico para peso a desmama do grupo TM2.

Para o grupo TM1 ,o retorno econômico de R$29,82 e R$45,89 para peso a desmama e peso aos 450 dias, respectivamente, representa o retorno econômico mínimo, uma vez que há touros TOP 0,1% para MGT, que apresentam valores superiores a 12,45 kg e 22,64 kg, para DP210 e DP450, respectivamente.

Segundo Rosa et al. (2013), o investimento em touros geneticamente superiores apresenta elevado potencial de retorno econômico, podendo contribuir decisivamente para a melhoria da produtividade e da renda das fazendas de pecuária de corte, com seu efeito multiplicador no âmbito de toda a cadeia produtiva e dos demais setores da economia a ela interligados.

Neste trabalho não estão inseridos a receita proveniente do descarte de matrizes vazias nem o ganho indireto com fatores que reduzem o ciclo de produção, como melhoria da conformação de carcaça, precocidade sexual e reposição de matrizes de melhor qualidade.

CONCLUSÃO

A utilização de touros geneticamente superiores, TOP 0,1 a TOP 30%, na estação de monta é determinante para aumentar a lucratividade do produtor, encurtar o ciclo de produção e inserir no rebanho melhorias indiretas.

A avaliação genética é a única forma confiável de identificar touros geneticamente superiores, porém, para aumento da rentabilidade, outros fatores, como descarte e reposição de matrizes, manejo sanitário, planejamento alimentar e da estação de monta, devem ser levados em consideração.

*Raysildo Lôbo e Victor Sala são pesquisadores da ANCP - www.ancp.org.br