A Granja do Ano – 34 anos da melhor prestação de informações e serviços ao profissional do campo.

Radiografia das principais atividades agrícolas, relação de instituições e empresas do agronegócio brasileiro.

Frango

Crise, greve, embargo e (muita) apreensão

Frango

O mercado externo é fundamental para a avicultura brasileira, mas esse destino vai levar 3,9 milhões de toneladas em 2018, ante as 4,2 milhões em 2017. Lá fora tem o embargo europeu e a tarifa chinesa. Além disso, aqui dentro tem crise econômica, custos em alta e greve dos caminhoneiros

Leonardo Gottems

Líder absoluto nas exportações de carne de frango do mundo, comercializando com mais de 150 mercados ao redor do globo e representando 37% das exportações mundiais, o mercado avícola do Brasil vem sofrendo com uma série de fatores. Como esse mercado gira, de Lucas Scherer/Embrapa Suínos e Aves uma maneira bastante significativa, em torno das vendas ao exterior, problemas como logística e disputas políticas acabam repercutindo no setor. De acordo com Fernando Henrique Iglesias, da Agência Safras & Mercado, a avicultura se depara com uma situação complicada em 2018. Segundo ele, a estimativa total de produção de carne de frango para o ano de 2018 é de pouco mais de 13 milhões de toneladas, praticamente o mesmo número de 2017. No entanto, as exportações devem cair de 4,2 milhões de toneladas para 3,9 milhões em 2018.

Ele explica que o resultado inferior das exportações pode ser justificado pelo embargo imposto pela União Europeia, além da tarifa antidumping imposta pela China. No mercado doméstico, o fraco desempenho econômico ajuda a explicar a dificuldade em ampliar o consumo. Além disso, a avicultura foi um dos setores mais prejudicados com a greve dos caminhoneiros. Segundo dados divulgados pelo presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra, o setor avícola ainda está sentindo os efeitos dessa greve.

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante desta revista, clique Aqui e Assine Agora!