A Granja do Ano – 33 anos da melhor prestação de informações e serviços ao profissional do campo.

Radiografia das principais atividades agrícolas, relação de instituições e empresas do agronegócio brasileiro.

Olivicultura

Mercado promissor

Atividade com desenvolvimento recente no Brasil, o cultivo de olivais tem perspectivas positivas diante da qualidade dos azeites já produzidos. Demanda pelo alimento é outro fator de destaque, já que o País é um dos maiores importadores mundiais. Mas a cadeia ainda está em formação, o que significa que é preciso trabalhar muito para a consolidação da atividade

Denise Saueressig
denise@agranja.com

O Brasil importa praticamente 99% do azeite que consome. Excluindo o comércio entre os países da comunidade europeia, o País foi o segundo maior comprador no ciclo agrícola 2014/2015, atrás apenas dos Estados Unidos, segundo o Conselho Oleícola Internacional, órgão com sede na Espanha e que reúne as informações sobre produção e demanda mundial.

Os números do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior também registram que esse é um mercado em ascensão. Enquanto em 2006 o volume importado foi de 19 mil Divulgação toneladas, em 2016, passou a 48,8 mil toneladas. O recorde foi atingido em 2014, com a importação de mais de 73 mil toneladas de azeite.

Nos supermercados, é comum encontrar marcas com origem em países líderes na produção, como Portugal, Grécia, Espanha e Itália, onde a oliveira é um cultivo milenar e favorecido pelas condições climáticas das regiões semiáridas às margens do Mar Mediterrâneo.

Nos últimos anos, no entanto, os consumidores brasileiros vêm encontrando a possibilidade de optar por azeites produzidos aqui no País. Ainda que timidamente, rótulos nacionais vêm ocupando lugar especialmente pelo diferencial da qualidade. O preço é mais alto em relação às marcas estrangeiras mais conhecidas (reflexo da baixa escala), e ainda são poucas garrafas ofertadas em grandes redes de supermercados. O mais comum é encontrar esses azeites em canais de vendas diretas com os fabricantes e em lojas especializadas.

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante desta revista, clique Aqui e Assine Agora!