A Granja do Ano – 33 anos da melhor prestação de informações e serviços ao profissional do campo.

Radiografia das principais atividades agrícolas, relação de instituições e empresas do agronegócio brasileiro.

Destaques - Pecuária do Corte

GENÉTICA que aprimora o rebanho

Trabalho da CFM envolve as mais modernas tecnologias de melhoramento para qualificar a pecuária nacional


Agro-Pecuária CFM Ltda.

Sede: São José do Rio Preto/SP
Fazendas: São Paulo, Mato Grosso do Sul e Bahia
Rebanho de corte: mais de 30 mil cabeças
Estimativa de faturamento para 2016: R$ 270 milhões
Previsão de comercialização em 2016: 9 mil cabeças, sendo 1,8 mil touros Nelore


A Granja do Ano - Quais são os diferenciais do trabalho realizado pela CFM na área de genética bovina?

Geraldo Martins - A CFM tem uma história de mais de três décadas de investimentos em melhoramento genético da raça Nelore. Foi pioneira na seleção voltada a características que trazem retorno econômico e seu programa de melhoramento foi o primeiro a receber o Certificado Especial de Identificação e Produção (Ceip), concedido pelo Ministério da Agricultura para atestar a superioridade genética dos touros. Os diferenciais da CFM são a seriedade na condução das avaliações do rebanho, o foco em características de real valor e a busca constante pelas mais modernas tecnologias de melhoramento animal.

O resultado disso é um rebanho altamente produtivo, com elevada precocidade sexual e qualidade de carcaça superior. Além disso, não podemos deixar de citar como diferencial a capacidade de adaptação dos reprodutores CFM aos ambientes de produção tipicamente brasileiros, já que toda a seleção é conduzida a pasto. São touros que chegam às propriedades dos nossos clientes e vão direto para a cobertura de fêmeas, sem necessidade de cuidados nutricionais especiais.

Quais as mais recentes conquistas da CFM? E os principais projetos para os próximos meses?

A principal conquista da CFM é a liderança do mercado nacional de touros Nelore avaliados, acompanhada da fidelidade de nossos clientes. Em 2015, vendemos mais de 1,8 mil touros Nelore com Ceip, com cerca de 60% deles sendo adquiridos por clientes que já utilizavam nossa genética. Esses números refletem a confiança que os pecuaristas têm no programa de seleção da CFM. Para coroar esse trabalho, fomos recentemente apontados como os maiores vendedores de touros zebuínos do Brasil, em ranking divulgado pela Revista AG. Para os próximos meses, estamos trabalhando na comercialização dos reprodutores nascidos em 2014, que trazem a mais nova genética CFM à disposição do mercado. A abertura da safra de touros ocorreu no Megaleilão CFM, realizado nos dias 11 e 12 de agosto, em São José do Rio Preto/SP. As vendas agora seguem nas fazendas e em leilões virtuais.

Quais são os principais desafios dos pecuaristas brasileiros atualmente?

Estamos passando por um momento positivo do ciclo pecuário, com preços historicamente altos em consequência da oferta reduzida de gado para abate. De maneira geral, a margem da atividade recuperou-se e muitos pecuaristas estão retomando os investimentos na fazenda com o objetivo de se manterem competitivos em relação às demais atividades agropecuárias. E, para isso, há um consenso de que o caminho é incrementar a produtividade. Nessa busca por maior eficiência na produção, o uso de genética de ponta torna-se imprescindível.

E em um contexto mais amplo, quais os desafios da pecuária nacional considerando o cenário dos mercados interno e externo?

O agronegócio está enfrentando uma enorme pressão por aumento de produtividade, já que a população mundial segue crescendo e os fatores de produção são limitados. Para a bovinocultura, essa pressão é ainda maior, pois mudanças nos hábitos alimentares estão levando a um crescimento muito mais intenso do consumo de carnes. O Brasil é um dos poucos países com possibilidade de atender essa demanda adicional.

Para aproveitarmos as oportunidades que se abrirão, precisamos expandir nossa produção, principalmente em arrobas por hectare, mantendo um custo competitivo. Nesse sentido, um passo importante foi dado recentemente, com a abertura do mercado norte-americano à carne bovina brasileira in natura. Ter nosso status sanitário reconhecido pelos EUA amplia as possibilidades de acordos com outros países e a abertura de mercados de maior valor agregado.

Geraldo Martins é presidente da CFM