A Granja do Ano – 34 anos da melhor prestação de informações e serviços ao profissional do campo.

Radiografia das principais atividades agrícolas, relação de instituições e empresas do agronegócio brasileiro.

Saúde Animal

SANIDADE para um rebanho líder

Merial trabalha para ajudar a manter patamares de excelência da pecuária brasileira

A Granja do Ano - Como você avalia o momento da pecuária de corte no Brasil? E como vem sendo o comportamento do mercado de produtos voltados à saúde animal?

Jorge Espanha - A pecuária de corte brasileira posiciona-se como líder em patamares do mercado internacional de produção e passa agora por um momento de transição em que a produtividade demanda maior atenção para possíveis variações no ciclo de alta. O pecuarista brasileiro, mestre da produção sustentável da porteira para dentro, enfrenta desafios em relação à infraestrutura e a outras questões do âmbito do comércio externo, custos e ambiente climático. O aumento da gradual demanda por carne de qualidade superior também influi e passa a ser produto de alto valor agregado. Esse é um processo comum nos países desenvolvidos e o Brasil dá importantes sinais de adequação, principalmente nos últimos anos com a consolidação da indústria frigorífica nacional. Já o mercado de saúde animal vem apresentando crescimento contínuo na última década, tendo fechado 2013 próximo à casa dos R$ 3,6 bilhões.

Quais são os mais recentes investimentos e projetos da Merial no Brasil?

Estamos engajados no lançamento de novas opções e promoção do nosso mix de produtos, além de soluções para as áreas de animais de produção. Podemos destacar o antiparasitário com carência zero Eprinex® para bovinos, a vacina Circovac® para suínos e a revolucionária vacinadora Ovojector® para aves. Para equinos, o nosso produto líder, Eqvalan, além de marcas reconhecidas, como o Ivomec F. Entre os principais investimentos, é importante destacar nossa nova unidade industrial de produção de vacinas, em Paulínia/SP, com investimentos de R$ 110 milhões. Essa nova unidade da Merial foi concebida como centro de excelência na produção da vacina para aftosa, sendo uma unidade moderna e com capacidade para atender as necessidades internas e externas, totalmente adequada às exigências da Instrução Normativa SDA n° 5, de 2012. Atualmente, a Merial já exporta vacinas contra aftosa para Bolívia, Uruguai, Venezuela, Paraguai e Peru.

E quais são as principais metas e objetivos da empresa para os próximos anos?

Nossos objetivos para os próximos anos são claros: reforçar nossa liderança em mercados expressivos, como antiparasitários e vacinas, e servir melhor aos nossos clientes diretos e produtores. Para isso, nossas ações de marketing e técnicas visam a investimentos em pontos que sempre refletiram a marca da Merial e que enfatizem mais do que nunca nossa origem de empresa reconhecida pelo alto investimento em pesquisa e desenvolvimento e qualidade de produtos. A nova unidade de Paulínia também terá um peso vital para nossos planos nos próximos anos, com a extensão da fabricação e exportação de produtos veterinários para mais de 120 países.

Qual é a importância do aspecto sanitário para a produtividade dos rebanhos e quais são os grandes desafios sanitários do rebanho brasileiro?

Apesar de a sanidade representar menos de 5% das despesas totais na pecuária de corte, tem importância vital para o produtor e grande potencial de crescimento em um cenário de maior competitividade. É inegável que o salto de produtividade da pecuária de corte brasileira nas últimas décadas teve – e tem – o suporte fundamental da indústria veterinária. Há alguns anos, tínhamos menos de 0,7 cab/ha. Hoje, essa realidade representa mais que 1,2 cab/ha com sustentabilidade e confiança na segurança do alimento produzido. Além disso, é importante lembrar que o Brasil ainda lida com uma série de ameaças no mercado externo, incluindo barreiras “pseudo sanitárias”. Ou seja, as autoridades públicas, a cadeia produtiva da carne e a indústria de saúde animal têm um desafio constante na manutenção dos patamares de excelência da produção brasileira e também para conquista de mercados cada vez mais exigentes.

Jorge Espanha é diretor presidente da Merial para Brasil, Bolívia e Paraguai