A Granja do Ano – 34 anos da melhor prestação de informações e serviços ao profissional do campo.

Radiografia das principais atividades agrícolas, relação de instituições e empresas do agronegócio brasileiro.

Adubos e Corretivos

 

Eficiência para nutrir a lavoura

Yara assume liderança no mercado de fertilizantes e oferece um portfólio completo ao produtor brasileiro

A Granja do Ano - Qual é a abrangência do negócio envolvendo fertilizantes da Yara?

Lair Hanzen - Com a aquisição dos ativos de fertilizantes da Bunge, a Yara assumiu a liderança do mercado de distribuição de fertilizantes no Brasil, reforçando sua presença em todas as regiões agrícolas e culturas plantadas no País. O objetivo da empresa, daqui para frente, é expandir cada vez mais seu raio de alcance, chegando a cada vez mais praças, nas mais diversas regiões, a partir de uma estratégia realista e baseada em um modelo de crescimento sustentável. A estrutura global da Yara, com sua presença e escala de produção, traz maior segurança de suprimento de seus produtos aos clientes.

Lair Hanzen é presidente da Yara Brasil

Como foi o processo de aquisição do segmento de fertilizantes da Bunge no ano passado?

A aquisição foi anunciada em 7 de dezembro de 2012 e a aprovação do Cade aconteceu em 16 de maio de 2013. Desde então, a Yara está trabalhando nos processos administrativos para a consolidação das duas empresas, necessários para a transferência dos ativos da Bunge para a Yara e para a integração das equipes. A aquisição, combinada à liderança mundial da Yara na produção de fertilizantes e à maior rede comercial do setor no mundo, torna a Yara um fornecedor ainda mais competitivo para o agronegócio brasileiro.

O que são e como funcionam os Programas Nutricionais da Yara?

Os Programas Nutricionais são um novo conceito em nutrição de plantas que garantem o preciso suprimento de nutrientes às culturas, por meio da combinação de fertilizantes em diversas etapas do cultivo, um portfólio completo e a competência na aplicação. Os programas são voltados a diversas culturas agrícolas e envolvem, também, o melhor uso da água, a maior eficiência no uso dos nutrientes, a menor dependência da qualidade do solo e o mínimo impacto ambiental

Como está o mercado de fertilizantes aqui no País?

O mercado brasileiro de fertilizantes é muito competitivo, com diversos concorrentes capazes de fornecer produtos e aberto para a entrada de novos. Trata-se, ainda, de um mercado em crescimento – em 2012 as entregas somaram cerca de 30 milhões de toneladas em comparação a 28 milhões no ano anterior, segundo dados da Anda – e com opções para a escolha do produtor. Com a aquisição da Bunge, a Yara passa a contar com uma operação mais eficiente, devido à maior escala e à otimização logística, e a oferecer ainda mais benefícios aos produtores, graças a uma escala global, produtos especiais e colaboração estratégica com institutos de pesquisa oficiais locais para promover e compartilhar conhecimento.

Quais são os principais projetos e objetivos da empresa para este ano e para 2014?

Para 2013 e 2014, além de finalizar a integração da Bunge, a Yara possui um plano e uma ambição de contribuir para o crescimento da agricultura brasileira de maneira sustentada, com forte valor agregado ao agricultor. Desta forma, a Yara sempre está à procura de oportunidades de crescimento e aquisições, tanto na produção quanto na distribuição, atuando de forma isolada, se necessário, ou por meio de parcerias com empresas locais, modelo que já provou sua eficiência em outros lugares do mundo. A empresa está investindo pesado no projeto de reconstrução da Unidade Misturadora de Porto Alegre, que será referência em excelência operacional e segurança no segmento de fertilizantes no País. Com capacidade anual de mistura de 400 mil toneladas, a unidade apoiará a estratégia de crescimento e consolidação da posição de liderança da Yara no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina. A misturadora deverá iniciar suas operações no fim de 2013. Outro investimento importante da Yara é a construção de uma Unidade Misturadora em Sumaré/SP, que terá capacidade de produção anual de 700 mil toneladas e abastecerá, principalmente, o estado de São Paulo, nas culturas de cana-de-açúcar, citros, hortaliças e milho. A nova misturadora tem início previsto da produção para janeiro de 2014.