A Granja do Ano – 34 anos da melhor prestação de informações e serviços ao profissional do campo.

Radiografia das principais atividades agrícolas, relação de instituições e empresas do agronegócio brasileiro.

Vinhos

 

Gosto por qualidade e premiações

Miolo Wine Group lança seguidamente novos rótulos de vinhos, de básicos a top, e conquista sucessivas láureas internacionais

A Granja do Ano – Que lançamentos recentes em vinhos e espumantes da Miolo Wine Group o senhor gostaria de destacar? E quais as principais características destes?

Antônio Miolo – Oferecer vinhos de cada vez melhor qualidade e maior diversidade é um compromisso constante da Miolo, que, todos os anos, procura investir em lançamentos que vão desde a linha básico-luxo até vinhos top. Na Expovinis deste ano, a Miolo apresentou oito novos rótulos ao mercado, entre eles o Tannat Vinhas Velhas (Vinícola Almadén, Rio Grande do Sul) e o Testardi Syrah (Vinícola Ouro Verde, Bahia), elaborados pelo método de vinificação integral. O processo, utilizado em vinhos excepcionais de chateux franceses, é o mesmo aplicado no ícone Sesmarias, do projeto Seival Estate. Estes vinhos são elaborados de forma artesanal, a partir de vinhedos com produtividade limitada de três a seis toneladas por hectare, visando a máxima qualidade do vinho a partir da melhor absorção dos nutrientes necessários do solo e da luminosidade. Na mesma ocasião, também foi lançado o Quinta do Seival Alvarinho, primeiro varietal branco de casta portuguesa da Miolo. Também lançamos recentemente os vinhos suaves Cabernet e Ugni Blanc, da Almadén, retomando os vinhos mais leves e fáceis que eram elaborados pela marca anteriormente. Os rótulos foram assinados pelo cantor Daniel, em comemoração aos 30 anos de carreira do artista.

Que conquistas recentes da empresa o senhor destacaria, como premiações, conquistas de mercados?

A dedicação da Miolo na elaboração de vinhos de qualidade tem sido reconhecida em uma série de premiações no Brasil e no exterior, que já somam mais de 100 distinções. Nos últimos meses, a Miolo conquistou importantes premiações. Podemos destacar um reconhecimento inédito que ocorreu no Japão. O Miolo Reserva Chardonnay recebeu medalha de ouro no prêmio Best Available Wines in Japan 2012 (Melhores vinhos disponíveis no Japão em 2012), na categoria Brancos, ocorrido em junho. Recentemente, a Miolo também conquistou oito medalhas no VI Concurso Internacional de Vinhos do Brasil, organizado pela Associação Brasileira de Enologia (ABE). Um recorde da empresa no concurso.

Nesta linha, quais as evoluções mais recentes da empresa no mercado externo de vinhos?

A Miolo é líder na exportação nacional de vinhos finos, com reconhecimento do Instituto Brasileiro do Vinho – Ibravin, e está presente em mais de 30 países. A empresa também busca participar ativamente, por meio de projetos como o Wines of Brasil, das mais importantes feiras e degustações internacionais. Este ano, por exemplo, esteve na London Wine Fair, uma das maiores do setor, onde conquistou duas premiações. No primeiro semestre, a empresa embarcou para a Inglaterra o volume de vinho equivalente a 339 mil garrafas, quantia três vezes superior a exportada em 2011.

Em relação a mercados externos, o que o senhor gostaria de destacar?

O fortalecimento no mercado internacional não é retratado apenas pelo crescimento das vendas, mas também pelos locais em que é possível adquirir os vinhos da empresa. O mercado asiático é outro em ascensão. No mês de julho, a Miolo entrou na carta de vinhos de um dos restaurantes mais sofisticados de Tóquio, o Musashi 463, localizado na Skytree, a torre mais alta do mundo. A China, onde a Miolo foi a primeira vinícola brasileira a abrir loja própria, no último trimestre de 2011, acaba de receber as primeiras garrafas do vinho Sesmarias, do projeto Seival Estate. A demanda pelo vinho é reflexo do crescimento do consumo do vinho fino brasileiro de qualidade pelos chineses.

Antônio Miolo é diretor comercial da Vinícola Miolo