A Granja do Ano – 34 anos da melhor prestação de informações e serviços ao profissional do campo.

Radiografia das principais atividades agrícolas, relação de instituições e empresas do agronegócio brasileiro.

Plantadeiras

 

Plantio com preservação do solo

Protagonista no processo de evolução do plantio direto, a Semeato leva ao campo soluções que colaboram para a sustentabilidade da agricultura

A Granja do Ano – Quais são os principais benefícios do plantio direto para a agricultura e para a preservação do meio ambiente?

Carolina Rossato – Os benefícios do plantio direto são comprovados, e a Semeato tem um case muito interessante nesse sentido: na Espanha, onde há 12 anos começamos a plantar em áreas totalmente destruídas, com solos muito pedregosos e com deficiência de matéria orgânica, conseguimos criar excelentes condições com o plantio direto. Nós aumentamos a quantidade de solo com a matéria orgânica e, além de criar condições para a terra, estamos fazendo a nossa parte para a preservação do meio ambiente e para a limpeza da água. Outro ponto muito importante é fazer com que o solo absorva o que está sendo gasto para ele, ou seja, os nutrientes da adubação. Já está totalmente comprovado que o plantio direto oferece um controle de erosão e também um aumento de produtividade, além da redução de custos na propriedade.

Como a Semeato conduz seu processo de inovação tecnológica considerando as demandas apresentadas pelo produtor? De que forma a empresa busca informações e procura atender às necessidades do agricultor?

O grande diferencial da Semeato é que ela está muito próxima ao agricultor. A nossa engenharia é uma engenharia de campo, a nossa área comercial também é uma área comercial de campo, toda a nossa equipe de vendas, da engenharia e de serviço são técnicos agrícolas. A nossa base vem da agricultura. A nossa formação é o campo, e a liberdade de criação na Semeato está na nossa cultura há mais de 40 anos. Por isso, colecionamos resultados tão positivos, especialmente no que se refere à inovação. A Semeato é a sexta empresa que tem o maior número de patentes junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), sendo a primeira no agronegócio.

Como está funcionando a parceria da Semeato com a CNH?

A parceria Semeato/CNH envolve um trabalho de fornecimento e codesenvolvimento tecnológico, no qual nós produzimos máquinas para as marcas Case e New Holland, além da marca Semeato e, em conjunto, também desenvolvemos novas tecnologias. Essa parceria nos dá bastante conhecimento de outras regiões e de outras tecnologias que ainda não temos no Brasil. Mas o mais importante é a integração que possibilita ver o trator e a plantadeira como um equipamento só, e essa proximidade certamente vai resultar em melhorias para o cliente final.

Quais são os projetos e metas da empresa para os próximos meses?

Já estamos trabalhando nos lançamentos para 2013, onde a tendência é de máquinas grandes, como a plantadeira SOL TT, que a Semeato lançou no ano passado na Expodireto (Não-Me-Toque/RS) e que foi um grande sucesso. Também pretendemos implantar a parte do ISOBUS, que foi lançada esse ano na Bahia Farm Show, e que faz uma completa integração entre o trator, a plantadeira e o mapeamento da lavoura, usando transmissão com tecnologia de ponta, o que garante uma agricultura de precisão de verdade, real.

Quais os impactos que esse momento de altos preços das commodities pode ter sobre o mercado de máquinas agrícolas?

Os impactos são positivos para toda a cadeia de produção agrícola. O agricultor está obtendo uma margem espetacular, o que pode melhorar a situação financeira, principalmente, no sul do país, onde as perdas foram grandes em função da seca na safra 2011/2012. O cenário do mercado pode significar a recuperação de muitos produtores, o que nos faz acreditar numa perspectiva muito interessante para o ano que vem.

Carolina Rossato é diretora comercial da Semeato