A Granja do Ano – 34 anos da melhor prestação de informações e serviços ao profissional do campo.

Radiografia das principais atividades agrícolas, relação de instituições e empresas do agronegócio brasileiro.

Batata

 

Segmento em desesperança

Demanda brasileira por batatas deve continuar baixa. E a área vem encolhendo

Luís Henrique Vieira

Apesar do aumento da produtividade em muitas regiões, a safra de batata em 2012 deve ser menor que em anos anteriores. Segundo estimativas do IBGE, a queda na produção deve ser de 250 mil toneladas – ou 10% dos 2,5 milhões de toneladas que o país produziu em 2011. Em Minas Gerais, um dos principais produtores, essa redução foi menor, de 6%. No país, a área plantada caiu de 191,8 mil hectares em 2007 para menos de 180 mil em 2012. Mesmo assim a produção é superior à demanda.

Os experts do setor deixam muito claro que a única solução para o setor é ampliar – e muito – a eficiência. Os bataticultores têm tido enormes perdas em função dos preços e dos custos de produção. Em 2012, os preços não passaram de R$ 25 pela saca de 50 quilos. Os produtores de Vargem Grande do Sul, em São Paulo, amargaram um custo de R$ 27 a saca. Em municípios do sul de Minas, a situação é ainda mais grave, pois os custos ultrapassam os R$ 38, segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Universidade de São Paulo. No triângulo mineiro, passa de galopantes R$ 45. Os custos continuam altos mesmo diante de cortes de vagas de trabalho e aumento da automação.

Insustentável — Antônio Bortoletto, especialista da Embrapa Hortaliças, acredita que a produção brasileira de batatas deve continuar a ser insustentável. Ele não vê nenhum aspecto na economia brasileira que deve influenciar o aumento pela demanda pela batata. A produção brasileira somente fornece para o mercado interno. “Já são três anos seguidos de crise na batata. Talvez grandes eventos como a Copa do Mundo possam ajudar, mas a demanda deve continuar caindo no Brasil. Isso que o país já é um dos que menos consome batata no mundo. Os preços devem estabilizar nesses níveis”, afirma.

Para Bortoletto, os bataticultores insistem nos mesmos erros: 1 – continuar acreditando no aumento da demanda; 2 – seguir não adotando as tecnologias existentes para melhorar ainda mais a produtividade; 3 – cultivar aqui uma batata típica do Hemisfério Norte que precisa de uma quantidade de horas de sol não disponíveis abaixo da linha do Equador, com uso de dosagens elevadísismas de fertilizantes por conta disso. “Existem cultivares, inclusive da Embrapa, que podem diminuir significativamente os custos dos insumos. Os custos com irrigação também podem ser reduzidos. Aliás, com cultivares resistente à seca, é possível reduzir os custos de irrigação de três a quatro vezes. Enfim, é preciso rever todo o sistema produtivo”, resume o pesquisador.