A Granja do Ano – 34 anos da melhor prestação de informações e serviços ao profissional do campo.

Radiografia das principais atividades agrícolas, relação de instituições e empresas do agronegócio brasileiro.

Destaques 2011 Caminhões

Sob medida para o agronegócio

Empresa se prepara para comercializar no Brasil os caminhões extrapesados com faixa de potência acima de 400 cv

Nome da empresa: MAN Latin America
Sede: Resende/RJ
Volume de produção em 2010: caminhões 51.051 unidades + ônibus 9.317 + exportação 7.658 unidades = 68.026 unidades
Participação no mercado brasileiro: 29% de market share no mercado de caminhões
Vendas de caminhões em 2010: 48.649 unidades
Previsão de vendas 2011: 55.000 unidades

A Granja do Ano — Quais foram os principais lançamentos de caminhões da MAN Latin America nos últimos 12 meses, em especial aqueles que atendem o agronegócio?

Ricardo Alouche — Desde os tempos de Volkswagen Caminhões e Ônibus procuramos manter a filosofia de uma empresa que faz caminhões sob medida, e o agronegócio sempre esteve presente no nosso portfólio de produtos. Nos últimos 12 meses, não efetuamos nenhum lançamento, pois a partir de 1º de janeiro de 2012 entrará em vigor o Proconve fase 7 (Euro V) e, em função desse fato, todos os nossos novos desenvolvimentos estão programados para ocorrer em 2012. A linha atual será mantida, porém com a motorização que atenderá o Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores 7 (Proconve) (Euro V) e algumas novidades que implementaremos em todas as nossas linhas de produtos. Além disso, em 2012, comercializaremos no Brasil os caminhões extrapesados Man com faixa de potência acima de 400cv. Dessa forma, complementaremos nossa linha de produtos para o agronegócio.

Qual é a relevância do agronegócio para o segmento de caminhões da Man Latin America? E quais são as estratégias da empresa para atender este setor que cresce a cada ano?

O agronegócio é muito importante para nós, pois, de forma direta ou indireta, nossos caminhões transportam produtos oriundos desse segmento. Hoje, se pensarmos no agronegócio desde o início da cadeia até o produto chegar no consumidor final – esteja esse produto indo direta ou indiretamente –, ou como matéria-prima para alguma transformação, podemos falar que o agronegócio é responsável por mais de 30% das nossas vendas.

E quais são as estratégias, as “armas” da empresa para atuar num segmento tão competitivo como é o de caminhões no mercado brasileiro?

Primeiramente, procuramos entender a necessidade de cada segmento e fazer caminhões sob medida para atendê-la. Além disso, temos planos de manutenção sob medida para manter essa frota rodando, de maneira a deixar o nosso caminhão com o maior índice de disponibilidade do mercado. Para completar a estratégia, lançaremos os caminhões extrapesados para que possamos nos consolidar no segmento, conquistando um nicho do qual ainda não participamos no agronegócio.

Ricardo Alouche, diretor de Vendas & Marketing Nacional e Serviços de Pós-Vendas da MAN

O que a pesquisa e o desenvolvimento da empresa elaboram de diferente para os caminhões que vão circular no país, visto as precariedades das estradas brasileiras?

Somos uma empresa que teve origem no Brasil e sempre desenvolvemos os nossos produtos para o mercado brasileiro. Agora, com os caminhões Man, não será diferente. Não serão caminhões simplesmente importados em um primeiro momento, mas desenvolvidos para o mercado brasileiro com tecnologia de ponta.

Quais são as perspectivas da Man Latin America para o Brasil, que vive um momento de economia aquecida? E como estão as exportações, visto que a cotação do dólar tem caído há meses?

As perspectivas da Man para o Brasil são muito boas. Hoje já trabalhamos em três turnos, inauguramos uma linha de produção para caminhões Man em Resende/RJ e uma linha para fabricação de motores Man no Brasil. Nossa perspectiva é que com toda infraestrutura necessária para o Brasil sediar a Copa do Mundo, jogos olímpicos, obras do PAC e o crescimento econômico do últimos anos, o mercado de caminhões permanecerá aquecido nos próximos anos.

Como o senhor vê o futuro da Man Latin America no Brasil?

A Man Latin America continuará desenvolvendo caminhões sob medida para o mercado brasileiro, com responsabilidade social e com sustentabilidade. Possuímos uma rede de concessionárias estruturada, que presta o melhor serviço de pós-vendas do mercado brasileiro de caminhões. Continuaremos a desenvolver e aprimorar nossos produtos focados para o agronegócio, pois entendemos que a economia brasileira tem seu crescimento muito fortalecido neste setor.