A Granja do Ano – 34 anos da melhor prestação de informações e serviços ao profissional do campo.

Radiografia das principais atividades agrícolas, relação de instituições e empresas do agronegócio brasileiro.

Destaques 2011 máquinas de Colheita

Mais eficiência na hora da colheita

Tecnologia de ponta oferecida pela John Deere ajuda o produtor a colher com redução de custos e aumento de produtividade

Nome da empresa: John Deere
Sede: Porto Alegre/RS
Fábricas: Horizontina/RS, Montenegro/RS e Catalão/GO
Número de concessionárias: 213
Máquinas vendidas no mercado interno em 2010: 1.580 colheitadeiras e 8.201 tratores
Participação no mercado em 2010: 34,7% das vendas internas de colheitadeiras e 14,5% das de tratores

A Granja do Ano — No segmento de máquinas de colheita, quais são as demandas mais recentes dos produtores rurais?

João Pontes — A qualidade do grão tem sido a maior demanda dos produtores rurais, seguida pela adoção de técnicas de agricultura de precisão, que aumentam a produtividade e reduzem os custos com insumos. A John Deere tem respondido a essas demandas disponibilizando ao produtor brasileiro uma linha de colheitadeiras que atende a essas necessidades de maior qualidade e menor custo de colheita por hectare.

Quais são os principais destaques da John Deere em máquinas de colheita nos últimos anos?

Na busca por maior qualidade de grãos, os produtores estão migrando rapidamente para as colheitadeiras com sistema de rotor. Nos últimos anos, a John Deere trouxe essa tecnologia, que antes era exclusiva das grandes propriedades, para colheitadeiras como a 9570 STS e a modelos fabricados no Brasil, atendendo a todos os produtores de grãos, desde o produtor familiar (através do Programa Mais Alimentos), até o produtor de maior porte dos cerrados.

Que novidades os clientes da empresa podem esperar para a safra 2011/2012?

Continuamos investindo para trazer ao cliente brasileiro o que há de melhor em tecnologia neste setor. Somos a única empresa no mercado que tem sua própria tecnologia de agricultura de precisão para utilizar em seus equipamentos. Nossos tratores, pulverizadores e colheitadeiras, todos podem utilizar uma tecnologia de agricultura de precisão comum e as informações podem ser passadas de um equipamento para o outro, começando no preparo do solo, passando pelo plantio, pelos tratos culturais e, finalmente, pela colheita, retroalimentando as informações para a próxima safra. É o que chamamos de “verde no verde”. Este processo se torna mais eficiente quando se tem uma rede capacitada e presente. Hoje já temos mais de 200 concessionários no país e continuaremos crescendo e capacitando a rede para que o cliente John Deere possa aproveitar os benefícios dessa tecnologia na íntegra.

Que estratégias a empresa utiliza para se manter próxima do produtor rural?

Além de ter uma rede de concessionários atuante e focada nas atividades rurais, a John Deere está sempre presente no campo e aprendendo com os clientes. Tudo que fazemos está baseado nas necessidades dos clientes. Esse conhecimento profundo das necessidades do produtor é o que direciona nossos investimentos em novos produtos e serviços para o futuro.

Qual a avaliação do mercado interno e externo de colheitadeiras nesse momento e quais as expectativas para 2012?

As perspectivas para 2012 são boas, e acreditamos num mercado semelhante ao de 2011 aqui no Brasil. Já nas exportações, estamos acreditando que será um ano melhor, já que o mercado argentino sofreu bastante em 2011 com o controle de licenças de importações e poderá ter um ano melhor em 2012. Nos demais países da América Latina, o panorama permanece positivo e devemos ter um ano de 2012 também muito parecido com 2011.

João Pontes é diretor de Marketing para América do Sul da John Deere