A Granja do Ano – 34 anos da melhor prestação de informações e serviços ao profissional do campo.

Radiografia das principais atividades agrícolas, relação de instituições e empresas do agronegócio brasileiro.

Destaques 2011 Sementes

A base da rentabilidade

Sementes da Pioneer levam segurança, tecnologia e qualidade ao produtor rural

Nome da empresa: DuPont do Brasil S.A. - Divisão Pioneer Sementes
Sede: Santa Cruz do Sul/RS
Unidades: beneficiamento de milho - Santa Cruz do Sul/RS, Santa Rosa/RS, Itumbiara/GO e Formosa/GO; beneficiamento de soja - Planaltina/DF
Estações de pesquisa: Passo Fundo/RS, Toledo/PR, Itumbiara/GO, Planaltina/DF, Sorriso/MT e Palmas/TO
Número de funcionários efetivos: 595

A Granja do Ano — Quais são as principais conquistas da Pioneer em 2011 e quais os objetivos e investimentos previstos para 2012?

Roberto de Rissi — Acreditamos que 2011 será o melhor ano de toda a história da Pioneer no Brasil. Nós vamos bater todos os recordes de vendas tanto em milho como em soja, reforçar nossa posição como marca líder do mercado de sementes de milho tanto no verão como na safrinha, e assumir a posição de marca líder no mercado de sementes de milho geneticamente modificadas. Na soja, tivemos um crescimento no mercado muito forte e fizemos investimentos importantes. Também tivemos a entrada em operação do Centro de Distribuição de Guarapuava/PR e vamos inaugurar o maior e mais moderno Centro de Distribuição de sementes da América Latina, localizado em Primavera do Leste/ MT. Iniciamos a construção da maior e mais moderna unidade de processamento de sementes de soja do mundo, localizada em Catalão/GO, que entrará em operação no próximo ano. Para 2012 continuaremos investindo na modernização das nossas unidades, construindo e modernizando nossa capacidade logística e capacitando melhor todos os funcionários.

Que diferenciais tem na sua lavoura um produtor que utiliza uma semente certificada e de qualidade?

Os diferencias são grandes e o maior deles está, em última análise, na produtividade e, consequentemente, na rentabilidade da sua lavoura. A semente certificada leva ao produtor a garantia de uma boa germinação, bom estabelecimento da cultura, maior uniformidade das plantas e evita disseminação de pragas e doenças. Todos esses fatores juntos tornam a atividade mais segura e aumentam a lucratividade. Constantemente estamos evoluindo tecnologicamente os processos de produção e tratamento de sementes e é através da semente certificada que o produtor tem acesso a essas tecnologias de ponta. Além disso, a atividade de produção da semente caseira para seu próprio uso exige técnicas e tecnologias que não estão ao alcance da grande maioria dos nossos produtores.

Quais foram as principais conquistas do Brasil na área de melhoramento genético de sementes nas últimas décadas? Nas últimas décadas tivemos grandes conquistas na área de melhoramento genético de plantas no Brasil e acompanhamos a verdadeira revolução tecnológica ocorrida no mundo com as técnicas de transgenia. Nós tivemos significativos e inovadores na área de plantio, condução e colheita de ensaios de produção que, em última análise, são fundamentais no processo de melhoramento genético de plantas. Através da mecanização desses processos, aumentamos muito nossa capacidade de condução de parcelas experimentais com maior qualidade. Novas tecnologias na área da genética molecular também adicionaram mais e melhores ferramentas para a condução de programas de pesquisa. Nossos melhoristas estão de parabéns pelas grandes contribuições que têm dado não só ao avanço da agricultura, mas também à sociedade como um todo ajudando a produzir mais alimentos e com melhor qualidade.

Quais os grandes desafios da Pioneer quando pensa em novas tecnologias para a agricultura brasileira? Os grandes desafios para a Pioneer na área de novas tecnologias estão muito associados aos desafios que nossos produtores têm na solução de seus problemas na atividade de produção de alimentos, fibras e outros produtos para nosso consumo. O Brasil, pelas características particulares de solo, clima e especialmente pela capacidade empreendedora e de inovação de seus produtores, tem desafios próprios que precisam ser resolvidos entendendo todo sistema produtivo e não somente uma determinada cultura. Nós temos de investir em tecnologias que aumentem a eficiência desses sistemas que combinam várias culturas. Como exemplo: soja/ milho; trigo/soja; milho/feijão, entre outras. Temos que pensar na produtividade do sistema e não mais em cada cultura separadamente.

Roberto de Rissi é diretor de Negócios da Pioneer Brasil