A Granja do Ano – 34 anos da melhor prestação de informações e serviços ao profissional do campo.

Radiografia das principais atividades agrícolas, relação de instituições e empresas do agronegócio brasileiro.

SISTEMA DE IRRIGAÇÃO

Irrigar para produzir mais

A Granja do Ano — Como se pode resumir a importância da irrigação para as culturas agrícolas?

Marcelo Borges Lopes — A irrigação permite ao produtor intensificar o uso de seus ativos e reduzir o risco da agropecuária. Isso acontece através de um melhor aproveitamento de recursos como terra, equipamentos e mão-de-obra tornando a produção mais eficiente - vale ressaltar que 35% da produção agrícola do Brasil vêm de áreas irrigadas que correspondem a apenas 5% da área cultivada. Já a redução do risco acontece com a diversificação da produção, complementação de água e possibilidade de plantio em épocas diferentes. Além disso, a irrigação permite ao produtor optar por atividades que agregam mais valor dentro da propriedade.

P — Qual é o panorama da irrigação no Brasil? Quais são as

regiões e culturas onde a irrigação é mais utilizada atualmente?

R — O Brasil já foi o segundo mercado mundial para a irrigação mecanizada, porém, atravessa um período de baixa em decorrência da crise do agronegócio. Nos últimos meses verificamos uma queda significativa nas vendas e isso afeta todo o setor e o nível de serviço oferecido aos clientes. Muitas empresas passaram por esse mercado de forma aventureira e hoje temos diversos equipamentos no campo sem assistência técnica. Assim como em outros setores ligados à agropecuária, na irrigação, os ciclos do mercado exigem uma administração responsável e conservadora – muita agressividade neste mercado significa pouca longevidade. Os estados de Minas Gerais, São Paulo, Goiás, Rio Grande do Sul e a Região Nordeste são os principais mercados atualmente. O Mato Grosso já fez parte dessa lista e espero que em breve esteja de volta, porque o potencial por lá é muito grande. As culturas que mais empregam esta tecnologia são frutas, hortigranjeiros, feijão, ervilha, tomate industrial e a cana-de-açúcar, que vem se destacando atualmente.

P — Que medidas são necessárias para impulsionar o uso da irrigação no País? Quais são os principais entraves para a expansão da técnica?

R — O maior entrave para a expansão da irrigação é a burocracia, principalmente no que se refere às licenças ambientais. O processo é lento, o tempo e o esforço necessário desestimulam o produtor rural que por vezes acaba desistindo. Não deveria ser assim, a irrigação bem utilizada ajuda na preservação do meio ambiente entre outros motivos, porque diminui a necessidade de áreas para cultivo ao aumentar a produtividade agrícola. Para impulsionar a irrigação o primeiro passo é desburocratizar este processo e unificá-lo em todo o País. Além disso, precisamos de políticas públicas consistentes para a agricultura que dêem segurança para que os produtores e seus fornecedores façam investimentos.

P — Quais são os conselhos para o produtor que pretende iniciar um projeto de irrigação na sua propriedade? Que cuidados são essenciais para um bom resultado?

R — O primeiro passo é definir o que se quer – quais as culturas a serem exploradas na área irrigada e estratégia de produção. Depois disso o produtor deve procurar uma empresa de sua confiança, que tenha experiência em projetos de irrigação e, principalmente, que seja uma empresa que ofereça respaldo e tenha futuro. Um projeto de irrigação é algo para 20 anos, por isso é preciso pensar no futuro. Para desenvolver o projeto será preciso um levantamento topográfico, avaliação do solo e culturas, definir o melhor tipo de irrigação e atender as exigências legais, como autorizações ambientais. A avaliação da disponibilidade de água também é muito importante.