13º Circuito Aprosoja mobiliza mais de mil produtores

A 13ª edição do Circuito Aprosoja, evento itinerante promovido pela Associação dos Produtores e Soja e Milho do Mato Grosso pelo interior do estado de abril ao início de junho, visitou 24 núcleos (municípios) e reuniu 1.030 produtores, além de outros profissionais da agropecuária, num total de mais de 2.100 pessoas. Nos encontros a diretoria da entidade ouviu os anseios dos associados e promoveu palestras sobre temas relevantes ao universo do agronegócio. O encerramento da iniciativa reuniu no dia 4 centenas de pessoas em Cuiabá, evento em que o economista Ricardo Amorim (na foto) abordou as perspectivas econômicas e políticas para o Brasil nos próximos quatro anos, assim como para o agronegócio.

Foram três as abordagens nos encontros pelo interior do estado: o trabalho do Senar, instituição parceira no evento, a segurança e a prevenção a roubos e furtos, com a parceria da Secretaria de Estado de Segurança Pública, inclusive com palestras de um major da Polícia Militar, e a importância da representatividade de classe na política brasileira, com João Henrique Hummel, diretor executivo do Instituto Pensar Agro (IPA). “Foi um sucesso. Queríamos levar ao produtor informações para a utilidade dele”, resumiu o evento o presidente da Aprosoja, Antonio Galvan, em entrevista coletiva a jornalistas. “Um espaço para o produtor se manifestar”.

Entre os temas abordados nas palestras, o Funrural, visto que o Supremo Tribunal Federal determinou, em julgamento, que os produtores brasileiros têm um passivo a ajustar (contrariando o entendimento dos produtores e das entidades classistas), o Fundo Estadual de Transporte e Habitação II (Fethab), cuja contribuição é feita pelos produtores mato-grossenses para melhorar a logística do estado, o entanto os recursos estão sendo direcionados pelo governo estadual a outras demandas. “A gente não reconhece essa dívida”, disse Galvan sobre o Funrural. “O Estado está utilizando esses recursos para outras utilidades”, lamentou, sobre o Fethab II.

O economista Ricardo Amorim fez uma ampla avaliação, do ponto de vista histórico e também das perspectivas, da situação econômica do Brasil e a relação com o quadro político pré-eleições para a Presidência de República. E ainda abordou o futuro do agronegócio brasileiro em nível mundial, sobretudo em relação ao crescimento dos países asiáticos, quer já são e serão ainda mais consumidores dos produtos agrícolas brasileiros. Lembrou que, desde 2001, com a entrada da China na Organização Mundial do Comércio, de cada quatro dólares que a economia mundial cresceu, três eram de países emergentes. Na próxima década 300 milhões de chineses vão ascender socialmente, e passar a se alimentar melhor, assim como 900 milhões de indianos nas duas décadas que vêm aí. Uma oportunidade colossal ao Brasil e sua agropecuária. “Vocês estão no lugar certo, na hora certa e no setor certo”, disse aos presentes. (Foto de Bruno Pini/Ascom Aprosoja)

A reportagem d'A Granja esteve no evento a convite da Aprosoja

Data: 05/06/2018
Fonte: A Granja

Últimas notícias