Solos

Os múltiplos benefícios das plantas de COBERTURA

Manutenção de umidade e cobertura do solo na época seca, maior riqueza de espécies vegetais nos sistemas, redução do uso de fertilizantes nitrogenados, controle de pragas, doenças e invasoras, recuperação de solos e ampliação da quantidade e qualidade da matéria orgânica são alguns dos ganhos promovidos pelas espécies vegetais

Arminda M. de Carvalho, pesquisadora da Embrapa Cerrados

Anualmente, mais de 3 milhões de toneladas de fertilizantes (2013) são necessárias para manter as elevadas produtividades de grãos (IFA, 2017) – principalmente de milho, que possui uma das mais altas demandas de nitrogênio (N) entre as culturas em expansão no Bioma Cerrado atualmente. Mesmo diante dos inúmeros benefícios das plantas de cobertura cultivadas na entressafra, seu uso ainda é limitado em sistema de plantio direto no Cerrado, dada a sazonalidade da precipitação pluviométrica e a característica desse bioma, onde é comum um período de cinco a seis meses sem chuvas ao ano. Existe, ainda, dificuldade em sincronizar o cultivo das plantas de cobertura com as épocas de semeadura e os sistema de manejo das culturas comerciais, como o milho.

Solos

Espécies como a Brachiaria ruziziensis possuem exigência mais elevada em relação à adubação nitrogenada, e, assim, competem mais pelo nitrogênio com o milho

Porém, o uso de plantas de cobertura proporciona, entre outros benefícios, a manutenção da umidade e da cobertura do solo na época seca e o aumento da riqueza de espécies vegetais nos sistemas agrícolas. O produtor que opta pelo uso de plantas de cobertura reduz consideravelmente os custos com fertilizantes químicos nitrogenados e com o controle de pragas e doenças, além de garantir...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!