Agribusiness

CAFÉ

Preços do arábica caem ao menor patamar em 12 anos

Agribusiness

Lessandro Carvalho - [email protected]

O cenário não mudou no mercado internacional do café em agosto. As cotações seguiram pressionadas pela oferta tranquila para os consumidores, com superávit na produção mundial em relação à demanda. Assim, as cotações do arábica em NY caíram aos patamares mais baixos em 12 anos e ameaçaram romper a importantíssima linha técnica, gráfica e psicológica de US$ 1/libra-peso. O Brasil está finalizando a colheita recorde, com a próxima safra também se encaminhando bem, conforme o clima. Isso traz comodidade para os compradores globais. E as outras grandes nações cafeeiras surgem com boas produções adiante. Ou seja, por enquanto, o quadro segue favorável ao comprador, e isso, naturalmente, pesa sobre os mercados.

NY fechou o pregão de 21 de agosto com o contrato de dezembro a 101,80 cents de dólar/libra-peso, muito próximo da linha de US$ 1. Além da oferta tranquila, o mercado é pressionado pela firmeza do dólar, que é fator de estímulo aos embarques e, assim, baixista para as bolsas. A crise China-EUA foi outro fator que pressionou. No mercado físico brasileiro, agosto foi calmo na comercialização diante do cenário desfavorável das bolsas. Os produtores procuram se retrair e resumir as negociações às necessidades de caixa. E justamente a alta do dólar contra o real limitou o impacto baixista das perdas externas.


ALGODÃO

Mercado doméstico sente pressão de ingresso de safra

Agribusiness

Rodrigo Ramos - [email protected]

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!