Glauber em Campo

A DEMOCRACIA TEM SEUS MOMENTOS IRRITANTES

Glauber

É incrível ver o quanto a democracia permite no parlamento a procrastinação das votações. Com isto, vemos o quanto custa caro ao povo. Uma vez, escutei uma palestra de um grande político em que ele abordava o custo da democracia ao povo. Falava que a democracia custa caro ao cidadão devido à burocracia muitas vezes necessária. Afinal, o direito ao contraditório é fundamental ao processo democrático, enquanto que no ditatorial ele é direto e rápido. Porém este custo tem sua importância, que é satisfazer a vontade da maioria.

Porém, por mais democrático que seja, quem acompanha de perto todas as pautas importantes ao agronegócio não deixa de se irritar com os inúmeros processos a serem seguidos no processo democrático, no qual todos devem ser ouvidos. E nos vemos obrigados, claro, a sermos confrontados em nossa tese. Porém, no parlamento brasileiro, como sempre, se exacerbou o processo democrático, criando normas protelatórias de forma exagerada. Na minha visão, o parlamento apresenta inúmeros artifícios que visam prolongar as votações e que não estimulam o debate.

Pude acompanhar matérias que estão no parlamento há mais de dez anos não avançarem. Ou seja, deveria se ter um processo transparente, com audiências públicas determinadas e que tivessem prazo definido. Sem dúvida, é preciso rever estes procedimentos, que custam caro ao povo brasileiro. Pior ainda é que não vemos matérias importantes progredirem e contribuírem para o desenvolvimento e o crescimento econômico do Brasil.

Estive acompanhando a votação da nova lei dos defensivos agrícolas por 30 dias. Estamos falando de um projeto que estava na casa por mais de dez anos, e quando realmente ele vai ser apreciado e votado em uma comissão especial v...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!