Agricultura de Precisão

A COMPREENSÃO do que a planta está sentindo

Como a redução da variabilidade química do solo pode proporcionar melhorias nas produtividades dos cultivos

Eng. agrônomo, Dr. Antônio Luis Santi, Dr. professor do Departamento de Ciências Agronômicas e Ambientais, UFSM – Campus de Frederico Westphalen/RS, coordenador do LAPSul; eng. agrônomos Diandra Pinto Della Flora, Fagner Augusto Rontani, Isaura Luiza Donati Linck, Pedro Felipe Brum de Bastos e Tassiana Dacás, mestrandos de Pós-Graduação em Agronomia, Agricultura e Ambiente, UFSM – Campus de Frederico Westphalen/RS; Tairon Thiel, aluno de graduação do curso de Agronomia, UFSM – Campus de Frederico Westphalen/RS; e Gabriel Beraldi Volpi, químico industrial técnico em Agropecuária

"Meu jovem, se eu pudesse, gostaria que, para cada quilograma de adubo aplicado na lavoura, houvesse disponível no solo um copo de água, porque somente assim o solo terá vida e irá produzir” (Fernando Penteado Cardoso). Essa frase do Dr. Cardoso – dita no início de 2003 em referência ao trabalho de doutoramento de um dos autores deste artigo (Dr. Antônio Luis Santi) – tem uma conotação que transcende a maneira tradicional de pensar e planejar a lavoura. Entender que a fertilidade do solo também requer a construção da qualidade física e biológica é mais que uma visão agronômica, é uma questão de sustentabilidade.

Agricultura

Embora essa reflexão inicial seja necessária para ponderar em relação à visão atual e sobre os caminhos da busca pela alta produtividade, não há dúvidas de que o uso de técnicas modernas de gestão da fertilidade, como a amostragem georreferenciada ou a amostragem em grade amostral, permite não apenas uma eficiente caracterização da situação atual da fertilidade nas...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!