Correção de Solo

A INCORPORAÇÃO de calcário e gesso no Cerrado

O artigo detalha resultados de experimento realizado no Centro Tecnológico da cooperativa Comigo, em Rio Verde/GO, em Latossolo Vermelho Distrófico argiloso com a aplicação de calcário e gesso com diferentes doses e maneiras de incorporação ao solo

Veridiana Cardozo Gonçalves Cantão, Prof. Dra. da Faculdade de Agronomia Universidade de Rio Verde (UniRV); Eng. agrônoma Camila Moraes Fonseca, mestranda PPG Produção Vegetal (UniRV)

Os solos brasileiros, especialmente os da região do Cerrado, são predominantemente da classe dos Latossolos. Devido aos fatores e processos de formação, tais solos apresentam características químicas restritivas ao cultivo. De maneira geral, são solos ácidos, pobres em nutrientes e com excesso de alumínio tóxico. Além das restrições já mencionadas, a região apresenta de cinco a seis meses de estação seca e veranicos cada vez mais prolongados, agravando ainda mais a produção das culturas. Sendo assim, para atender à demanda produtiva da região, existe a necessidade de construir a fertilidade do solo de forma a tornar os Latossolos aptos aos sistemas de produção.

Correção

Na fase inicial da construção da fertilidade, o solo passa pelas práticas da calagem e gessagem com a utilização de corretivos e condicionantes do solo em superfície (0-20 cm) e/ou subsuperfície (>20 cm) de modo a neutralizar os efeitos nocivos do alumínio (Al) e adicionar alguns dos nutrientes essenciais às culturas. Os benefícios da calagem nos sistemas de produção podem ser observados pela redução de elementos tóxicos, principalmente o alumínio; pelo aumento da disponibilidade de nitrogênio, enxofre, fósforo e boro, provenientes da mineralização da matéria orgânica do solo;...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!