Notícias da Argentina

OS EFEITOS DA SECA NA MACROECONOMIA DO PAÍS

Os efeitos da grave estiagem que afetou a Argentina na última safra reduziram o volume de recursos arrecadados pelo Estado com a produção agrícola. Segundo o índice de junho da Fundação Agropecuária para o Desenvolvimento da Argentina (Fada), de cada 100 pesos de renda que gera um hectare, 55,8 pesos são recolhidos em impostos considerando a média das culturas de soja, milho, trigo e girassol. O valor apresentou redução em comparação com a medição de março, que indicava 64,1 pesos a cada 100 pesos gerados no campo. Também é um índice bem abaixo do mesmo mês do ano passado, quando o recolhimento pelo Estado era de 74,7 pesos. O economista-chefe da Fada, David Miazzo, explica que a seca enfrentada no país tem reflexos sobre o indicador. “Os cultivos de verão do ciclo 2017/2018 sofreram graves perdas durante a etapa crítica de crescimento, além das altas temperaturas e do excesso de umidade até poucos momentos antes da colheita. Esses eventos climáticos provocaram queda nos rendimentos e perdas de produção que geraram efeitos negativos não apenas sobre o produtor, mas também sobre as economias do interior e a macroeconomia do país”, analisa. O economista lembra que as perdas conjuntas de milho e soja totalizaram 26,2 milhões de toneladas e mais de US$ 8 bilhões.


RECUO NA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS

Notícias

A seca que provocou queda na colheita e as altas taxas de juros para a tomada de crédito estão provocando reflexos negativos sobre a indústria metal mecânica. A compra de máquinas agrícolas pelos produtores está paralisada pela consequente perda de rentabilidade. O presidente da Câmara Argentina de Fabricantes de Maquinaria Agrícola (Cafma), Raúl Crucianelli, informa que, nos cinco primeiros m...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!