Sementes

A arte de produzir o precioso INSUMO

Sementes

A geração de sementes de soja é um processo muito mais aprimorado e criterioso do que a usual produção de grãos. Local da lavoura, condição edafoclimática, controle fitossanitário, logística diferenciada e outras normas são consideradas

Leonardo Machado, secretário-executivo da Associação Brasileira dos Produtores de Sementes de Soja (Abrass)

É fato que, nos últimos anos, tem aumentado no agronegócio, de forma geral o uso de sementes não comerciais, ou seja, não adquiridas de um produtor de sementes licenciado e registrado. São inúmeras as justificativas dos agricultores que optam por essa via, apesar de a Associação Brasileira dos Produtores de Sementes de Soja (Abrass) e outras entidades e empresas terem demonstrado o verdadeiro “tiro no pé” dessa opção. Entre os argumentos que são colocados para mostrar como é falsa a sensação de economia da utilização da semente não comercial em sua lavoura, a qualidade superior da semente certificada é o principal. Porém, para chegar a essa semente de qualidade superior, o produtor de sementes lança mão de inúmeras ações que cabem aqui serem apresentadas.

A diferença de um campo de produção de sementes e uma lavoura normal se inicia na escolha do local da produção. A produção de sementes exige condições edafoclimáticas elevadas para tal finalidade, que limitam muitas regiões agrícolas para tal função. Além disso, mesmo se um dado local possui condições propícias para a produção de sementes, é necessário que o plantio seja feito respeitando distâncias de outras lavouras próximas, evitando assim cruzamentos indesejáveis.

Sob o controle do Ministério da Agricultura — Entretanto, as diferenças se tornam ...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!