Agricultura 4.0

CONTROLE BIOLÓGICO

Agricultura

Carlos Otoboni

É fato que o controle biológico de pragas e doenças está na crista da onda do desenvolvimento tecnológico para a agricultura brasileira. Quando você percebe que grandes empresas da área da química iniciaram, há alguns anos, um movimento forte para esse setor e ouve de executivos dessas empresas que elas se tornarão no futuro empresas de produtos biológicos, quer dizer que é para valer mesmo.

Esse assunto já foi capa desta revista há um ano, mas gostaria de dar uma contribuição sobre o assunto e, principalmente, chamar a atenção para esse fato de suma importância para o agronegócio brasileiro.

Da forma como a agricultura é conduzida, as pragas, doenças e nematoides existem e se proliferam nos campos de produção, pois há uma grande oferta de alimento para eles, que são as plantas que cultivamos em grandes áreas. Assim, suas populações aumentam exponencialmente nas áreas de cultivo devido à grande oferta de alimento e, nada mais lógico do que tornar essas pragas também alimento de outros seres vivos, com vistas a reestabelecer o equilíbrio biológico da área.

Não é de hoje que o controle biológico de pragas acontece no campo. Praticamente metade da área de cana-de-açúcar cultivada utiliza essa técnica para o controle da broca-da-cana. Estamos falando em milhões de hectares que já há muito tempo fazem do controle biológico a principal forma de manejo dessa praga.

Segundo informações da Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico (ABCBio), o setor de produtos biológicos cresce de 15% a 20% ao ano. Com efeito, de 2010 a 2016, segundo a ABCBio, a quantidade de produtos biológicos registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) passou de 7% para 60%. Contud...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!