Glauber em Campo

LEI DO ALIMENTO MAIS SEGURO

Glauber

GLAUBER SILVEIRA

A Lei de Defensivos Agrícolas (PL 6.299/2002), cujo relator é o Deputado Luiz Nishimori (PR/PR), tem causado muita polêmica. Por um lado, os deputados ligados à Frente Parlamentar da Agropecuária defendem a modernização de uma lei que está em vigor há 30 anos, quando o Brasil ainda era importador de alimentos. Por outro, temos toda uma bancada, grupo que se intitula de ambientalista (mas que come carne e se alimenta muito bem), dizendo que a lei em discussão tem por objetivo despejar veneno nos alimentos brasileiros. O que vemos novamente, a exemplo da época da discussão do Código Florestal, é um grupo totalmente ideológico e sem conhecimentos técnicos apresentando argumentos sem nenhum fundamento. Mas temos que reconhecer que o discurso dos contra defensivos fitossanitários é mais palatável à sociedade, afinal, é claro que qualquer um em sã consciência iria preferir ingerir alimentos sem a aplicação de qualquer que seja o produto.

Vemos nas redes sociais, televisão, programas de culinária, artistas, chefs de cozinha fazendo uma campanha toda voltada ao não uso de defensivos fitossanitários. Alguns vão mais longe ainda dizendo que a produção de grãos e carne é totalmente maléfica à natureza. Como é complicado ver tamanha ignorância repercutida na televisão e redes sociais. Pior que contra essas pessoas não existe argumento, afinal, o radicalismo somado à ignorância se torna intransponível, ou é preciso ter a paciência de buda para tentar explicar o óbvio. Tenho sempre dito que produzir hortaliças, legumes e algumas frutas sem nenhum defensivo fitossanitário é possível, porém, nada fácil e barato. Por enquanto, o produto orgânico no Brasil e no mundo tem sido acessado pela nobreza social. No supermercado, uma verdura ...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista A Granja, clique Aqui e Assine Agora!